Jornalista foi vítima de esquema retratado em seu livro

FABIO DORTA E GABRIEL MAYMONE 14/02/2012 00h02

foto
Foto: Facebook/Paulo Rocaro
Jornalista e escritor Paulo Rocaro era autor de obra que tratava de pistolagem

O jornalista e escritor Paulo Roberto Carlos Rodrigues (que usava o nome de Paulo Rocaro), 51 anos, fuzilado na noite de domingo (11) na Avenida Brasil, centro de Ponta Porã (MS), era autor do livo “A Tempestade”, lançado em 2002, onde denunciava a ação de crimes de pistolagem e de grupo de extermínio na fronteira. Dez anos depois, ele acabou sendo vítima do esquema criminoso que retratou em sua obra

Seu veículo Idea foi alvejado por 12 tiros de pistola calibre 9 milímetros sendo que cinco o atingiram. Os autores foram dois pistoleiros que estavam em uma motocicleta.

Rocaro foi socorrido ainda com vida pelo Corpo de Bombeiros, mas morreu por volta das 4h30min da madrugada de ontem (13) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional.

Considerado um jornalista polêmico, Rocaro era editor-chefe do Jornal da Praça, diário mais antigo da fronteira e havia criado há cinco anos o site de notícias Mercosul News, onde era repórter e sócio-proprietário. O jornalista foi correspondente em Ponta Porã do Jornal Correio do Estado e do Jornal O Progresso de Dourados.

O delegado Odorico Mesquita, responsável pelas investigações sobre o caso, disse ontem ao Portal Correio do Estado que o crime pode ter ligação com o trabalho que o jornalista exercia, conhecido na região pela forma como questionava as autoridades públicas e cobrava qualquer fato que chegava a seu conhecimento, porém, nenhuma hipótese está descartada.

O primeiro passo para as investigações, segundo o delegado, é descobrir o motivo do crime. "Vamos colher depoimentos da família e colegas de trabalho para saber se o jornalista estava sofrendo algum tipo de ameaça", explica.

A equipe de investigação da polícia já traçou o trajeto que Rocaro fazia durante o atentado. "Sabemos que ele saiu de uma reunião com amigos e seguia para casa, quando foi assassinado", completa o delegado, dizendo ainda que já teve acesso a algumas imagens de circuitos de segurança de prédios próximos ao local do atentado onde é possível visualizar a motocicleta usada pelos pistoleiros.

 O crime

Conforme informações de testemunhas, o veículo de Rocaro teria sido fechado por uma motocicleta sem placas, ocupada por dois pistoleiros, que efetuaram os disparos e fugiram em direção a Pedro Juan Caballero, no lado paraguaio da fronteira.

Quando sofreu o atentado que culminou com a morte, Rocaro retornava para casa depois de ter participado de um jantar na residência do ex-prefeito Wagner Piantoni (PT). Ele estava sozinho no veículo. A esposa e o filho dele também participaram da festa, mas seguiam em outro carro e não presenciaram o crime.

Ao ser atingido Rocaro perdeu o controle do veículo e bateu contra um poste. Mesmo bastante ferido ele conseguiu religar o carro e chegar até um hotel nas proximidades do local do atentado, onde pediu socorro. Funcionários do estabelecimento acionaram o Corpo de Bombeiros. Mesmo socorrido com vida ele não resistiu à gravidade dos ferimentos.

 

 


Compartilhe