Sábado, 18 de Novembro de 2017

Irmãs siamesas, hoje unidas no amor

15 MAR 2010Por 20h:31
Quatro anos depois de terem nascido dividindo os intestinos, bexiga, rins, estômago e fígado, as gêmeas Jhenifer Beatriz de Oliveira e Sthefani Beatrile de Oliveira Prado levam, depois da operação a que foram submetidas, vida normal em Água Clara – município distante 187 quilômetros a leste de Campo Grande. As gêmeas, que nasceram unidas pelo abdômen em agosto 2005 e viraram notícias em vários jornais do Brasil, mesmo separadas ainda continuam “famosas”. Jhenifer e Sthefani, hoje com quatro anos, são saudáveis, andam e falam sem dificuldades e os pais querem que comecem estudar ainda neste ano. Elma Virgínia da Silva Prado, 24 anos, a mãe das crianças descobriu que teria bebês siameses no sétimo mês de gestação. O pré-natal estava sendo feito por médico de Água Clara que não havia identificado a anormalidade, quando a jovem resolveu fazer exames mais detalhados com outra especialista. “Até então, todos achavam que eu estava grávida de dois meninos. Eu não tinha nada, mas a médica foi ouvir o coração dos gêmeos, estranhou os batimentos e pediu exames mais detalhados. Foi um choque, porque eu nem sabia o que era gêmeos siameses”. No mesmo mês, Elma teve de ir para São Paulo (SP), para receber acompanhamento de especialistas no Hospital das Clínicas (HC). Ela esperou até o nono mês de gravidez para fazer o parto das meninas, apesar de ser comum gêmeos nascerem prematuros, principalmente nos casos como os de Sthefani e Jhenifer. Além de amadurecerem o tempo ideal no ventre da mãe, a meninas também surpreenderam os médicos nos quesitos peso e tamanho. Diferente do que, em geral, acontece com gêmeos – baixo peso e medidas -, as irmãs nasceram com 2,7 gramas e 49 centímetros cada uma. “Foi aí que começaram os milagres nas nossas vidas. Só de estarem bem de saúde já era uma vitória para a gente”, lembra a mãe, que se diz muito religiosa. Jhenifer e Sthefani passaram pela cirurgia de separação no dia 2 de maio de 2006, no Hospital da Clínicas, quando tinham oito meses de idade. “Tinha muito medo com o que poderia acontecer, até porque juntinhas elas estavam bem, mas graças a Deus deu tudo certo. Esse foi o nosso segundo milagre”, conta Elma. Sthefani teve de passar por nova cirurgia em outubro do ano passado, em São Paulo. Ela tinha uma ferida no intestino e, após a operação chegou a ficar em coma na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital das Clínicas, mas se recuperou e, desde então, não teve mais problemas de saúde. “A Sthefani é menorzinha e até esse ano não andava. Para mim foi outra benção, ver a minha filha andando duas semanas depois que a gente tinha voltado para casa”. Para a mãe das meninas e o pai, Flávio de Oliveira Santos, 26 anos, o “terceiro milagre vem acontecendo até hoje”. “Minhas filhas são normais, têm boa saúde e são inteligentes, quer coisa melhor?”, diz Flávio. Segundo o pai, as brincadeiras preferidas das meninas são andar de bicicleta e brincar na piscina de plástico montada na varanda da casa nº 49 da Rua Teodoro Vitório da Silva, no Jardim Nova Água Clara, onde moram desde que nasceram. Santos conta, ainda, que as duas ao mesmo tempo que são “completamente independentes uma da outra”, gostam de fazer e ter algumas coisas idênticas. “Elas não gostam de jeito nenhum de se vestir igual, mas tem que comer a mesma comida e na mesma quantidade. Brinquedos também têm de ser iguais para as duas. Isso é bem engraçado”. Apesar do “grude”, a mãe revela outra faceta das crianças. “Elas brigam o tempo todo”, conta Elma. “Desde a maternidade, como elas nasceram de frente uma para a outra, elas se aranhavam. Acho que é porque nasceram grudadas elas enjoaram de tanta proximidade”, brinca. Elma conta também que queria que as filhas começassem a estudar ainda este ano, mas até a semana passada não havia conseguido vaga para as filhas na Escola Municipal Renato Ribeiro, única que oferece educação infantil em Água Clara. “Queria tanto que elas estudassem, acho que iam se desenvolver mais rápido. As meninas ainda usam fralda (oito por dia cada uma) e não é porque tem algum problema na bexiga, é porque se acomodaram assim. Tenho certeza que se forem para a escola vão ver as outras crianças e vão aprender a pedir para ir ao banheiro”.

Leia Também