Domingo, 19 de Novembro de 2017

Instituto ainda não conseguiu fechar laudo sobre morte de adolescente

6 MAI 2010Por 06h:50
karine cortez e vânya santos

O Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol) ainda não conseguiu concluir laudo que apontará a causa da morte da jovem Jéssika Brandão de Lima, de 17 anos, ocorrida na madrugada do último dia 25 de abril, no Bairro Cidade Morena, em Campo Grande. Com a demora, o instituto encaminhou ontem, ao titular da 4ª Delegacia de Polícia (Moreninhas), Wellington de Oliveira, o pedido de prorrogação do prazo de entrega do documento.
O atraso prejudica a conclusão das investigações, uma vez que é de essencial importância para o fechamento das diligências o resultado real causa da morte. A polícia suspeita de que a menina tenha sido vítima de overdose, depois de usar cocaína. Restos do entorpecente foram encontrados no banheiro e no quarto da casa de Jéssika.
“Esse resultado é fundamental para fecharmos a investigação. Por conta disso é melhor que eles me entreguem um laudo conclusivo, mesmo que demorando para fazer isso. De forma incompleta não me serviria”, disse o delegado. Wellington ressaltou que no caso de Jéssika foram solicitados pelo menos oito tipos de exame, entre eles, toxicológico e de secreção vaginal. Na manhã de ontem os pais da vítima prestaram depoimento à polícia.

Justificativa
Durante recepção a representantes de 11 estados brasileiros, que vieram a Mato Grosso do Sul para conhecer o trabalho do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), na tarde de ontem, na Infraero, o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, justificou a demora do laudo pericial, explicando que os exames solicitados pela polícia são complexos, demandam análise maior e em função disso não têm prazo definido para conclusão, até mesmo porque os profissionais podem solicitar prorrogação deste tempo inicialmente estabelecido em 10 dias. “Não podemos apressar os peritos”, ressaltou Jacini, defendendo que a demora não significa que os profissionais estejam encontrando dificuldades para desempenhar o trabalho.

Licitação
Sem especificar os aparelhos e a quantidade, o secretário comentou que o Governo do Estado está finalizando edital de licitação para a compra de equipamentos destinados à Coordenação-Geral de Perícia de Campo Grande.
Jacini também contou que está prevista a ampliação do prédio da coordenação, na Capital, além da construção de uma coordenação regional de perícia em Dourados – ainda neste ano – e, posteriormente, em Nova Andradina.

Leia Também