Domingo, 19 de Novembro de 2017

Indústrias fazem estruturação, de olho em potenciais exportadores

24 JAN 2010Por 06h:43
Com a possibilidade de abrir as exportações para a China e talvez até mesmo à Rússia, a avicultura estadual aposta na ampliação da produção em 2010. Segundo o coordenador de Agronegócio da Pecuária da Seprotur, Rubens de Mello Corrêa, as indústrias já estão se prepararando para isso. A Perdigão de Dourados, que abate 131 mil aves/dia, deverá expandir seu processamento em pelo menos 10%. A Seara de Sidrolândia, outra exportadora forte em MS, também prevê crescimento de 10% a 15% nos abates. “A Seara assim como a Perdigão, dependendo do cenário da economia global, tem intenção de abater mais de 10% a 15%. Além disso temos a Doux Frangosul, de Caarapó, que também deve ampliar atividades”, frisou. Corrêa lembra ainda que atualmente a indústria Seara de Sidrolândia vive um novo cenário. “Antes a empresa era familiar, e hoje foi comprada pelo Marfrig. A empresa tem outra postura, é mais agressiva. Tem uma logística de distribuição e abastecimento de carne bovina muito grande. Eles têm este knowhow há muito tempo na bovinocultura. E o restante das produções deve ir de carona, ou seja, os suínos e as aves também vão entrar neste esquema de atender mais o mercado interno”, avalia o coordenador. Diante deste cenário o coordenador do Agronegócio da Seprotur aposta na expansão da avicultura neste ano. “Sem medo, o crescimento deverá ficar em torno de 10%”, destaca. Outra indústria que também deverá se destacar neste ano é a Frango Ouro, de Aparecida do Taboado. “Agora a empresa virou Frango Bello, que já possui uma planta em Itaquiraí. Este grupo é muito forte no Paraná. Ainda atuam no mercado interno, mas estão se adequando às normas do Ministério da Agricultura (Mapa) para obter o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF) para exportação. Se conseguir a lista geral tem 186 países para exportar”, conclui Corrêa. Potencial A China é uma das grandes apostas em exportação neste ano, segundo o coordenador de Agronegócio. “A China é lista geral, e um mercado para nós em potencial. Acho que o Governo está dando um tiro muito certo que é direcionar as carnes para este mercado. Já percebemos que eles têm interesse em fazer negócio com MS”, disse Corrêa. Perspectivas As perspectativas do setor para este ano também são mais positivas, alavancadas pelas eleições. “O ano eleitoral somado com o reajuste do salário mínimo colocará mais dinheiro na economia e deverá alavancar o consumo e a produção”, avalia o presidente da UBA, Ariel Mendes. Mas além dessa questão, fica também a expectativa de que o Governo possa tomar as ações efetivas para incentivar a avicultura como: facilidade para obtenção de crédito, ajustes no câmbio e desoneração do PIS/Confins. (RS)

Leia Também