Sábado, 18 de Novembro de 2017

Homem é morto com seis tiros ao chegar em casa em Mundo Novo

16 SET 2010Por 13h:09

MICHELLE ROSSI

Alessandro Barbosa da Silva, 32 anos, foi morto na noite de quarta-feira, ao chegar em sua residência, localizada no Conjunto Habitacional Carlos Guedes, na cidade de Mundo Novo (MS). Ele foi atingido por seis disparos de arma de fogo.
A vítima chegou a ser encaminhada ao hospital local por vizinhos que a socorreram, mas não resistiu e acabou entrando em óbito momentos depois. Três tiros acertaram sua cabeça e mais três a região abdominal.
Segundo registros do boletim de ocorrência, Alessandro foi alvejado assim que chegou em casa – estava pilotando uma motocicleta e foi atingido ainda em cima da moto.
Vizinhos ouviram os disparos e relataram para os policiais que ficaram perplexos pois a vítima “era pai de família e um homem trabalhador”.
Foram encontradas seis cápsulas de munição e dois projéteis 9 milímetros. Segundo o boletim de ocorrência, a pessoa que o alvejou estava escondida na casa do rapaz esperando o momento de sua chegada para efetuar os disparos. Ninguém viu o autor e até o momento não há pistas sobre seu paradeiro e a motivação do crime. Alessandro Barbosa da Silva não tinha passagem pela polícia.
Morte a esclarecer
Enquanto isso, o corpo de Reginaldo Aparecido Rodrigues, 48 anos, foi encontrado em avançado estado de decomposição, na quarta-feira, na Fazenda Guranézia em Sidrolândia.
Ele estava desaparecido fazia 15 dias e seu cadáver foi localizado por um senhor de 67 anos que arrumava a cerca da fazenda, preocupado com as consequências da chuva que caía na data.
Segundo informações, Reginaldo havia sido contratado para trabalhar na fazenda com a colheita de milho, mas trabalhou de fato por 3 dias e depois desapareceu. Segundo os peões do local ainda há informações de que a vítima estava se queixando de estar doente.
O corpo foi encaminhado para exame necroscópico no Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol) e a causa da morte está sob investigação na Delegacia de Polícia Civil de Sidrolândia.
Como estava em avançado estado de decomposição, não foi possível visualizar sinais de arma de fogo ou de qualquer outro tipo de lesão.

Leia Também