Quinta, 23 de Novembro de 2017

Gyrotonic: parece tortura, mas não é!

14 ABR 2010Por 20h:24

SCHEILA CANTO

Quem vê pela primeira vez se assusta.
Cheio de tiras de couro, roldanas e manivelas, o equipamento lembra um aparelho de tortura, usado na época medieval. Mas o Gyrotonic Expansion System, que dá nome à atividade, é a mais recente novidade na área de fitness, que une elementos da medicina chinesa, fisiologia e biomecânica, formando assim uma terapia holística que atende às pessoas nos mais diversos estilos de vida.

O equipamento foi projetado para proporcionar movimentos circulares que combinam técnicas de balé, ioga, tai chi chuan e natação. Com mais de 150 possibilidades de exercícios diferentes, ele mexe com todo o corpo, aumentando a coordenação motora, a concentração e a flexibilidade, fortalecendo os músculos, as articulações, os ligamentos e os tendões, alinhando a coluna e reduzindo o estresse. "Os movimentos são fluidos e respeitam a naturalidade do corpo", explica a fisioterapeuta Mariana Callejas Dibo, do Estúdio Anima, o pioneiro em Campo Grande.

O gyrotonic chegou ao Brasil há dois anos, em Campo Grande já são três estúdios, mas foi criado nos anos 80 pelo bailarino romeno Juliu Horvath, que buscava um meio de tratar uma lesão na coluna. Não é à toa que o método tem se mostrado eficaz no tratamento de hérnias de disco, escoliose, cifose e lordose. Outros que podem se beneficiar do aparelho são pacientes com osteoporose, gestantes e pós-cirúrgicos, enumera Mariana.

O método é uma alternativa para quem quer fugir do ritmo barulhento e competitivo das academias de ginástica e dos tradicionais aparelhos de musculação, ou ainda, não faz natação ou hidroginástica por não suportar o cloro usado no tratamento das piscinas.

As aulas são individuais e devem ser feitas pelo menos duas vezes na semana para se ter satisfação no resultado, destaca Mariana. "Os exercícios trabalham os músculos dando a eles uma melhora visível do tônus e da definição muscular, estimulando ainda vários outros sistemas do corpo como o cardiovascular e o postural", comenta.

 

Diferenças e semelhanças com o pilates

Embora o pilates tenha foco na força abdominal, aumento da flexibilidade e coordenação motora da mesma forma que o gyrotonic, a diferença básica entre ambos é que a técnica de pilates prima por exercícios em dimensão linear, ou seja, são mais retos. O gyrotonic é predominantemente uma técnica de exercícios que trabalha o corpo em movimentos orgânicos (circulares). "Em vez de subir e baixar o braço fazemos a rotação do ombro, solicitando o esforço de todos os músculos ao mesmo tempo, respeitando a naturalidade do corpo", exemplifica Mariana. Os equipamentos de gyrotonic utilizam pesos e um sistema de roldanas que dá ao corpo, tanto apoio e resistência em toda uma série de exercícios, que promove com sucesso a fluidez e alongamento dos músculos e articulações. Por outro lado, os aparelhos de pilates utilizam um sistema de molas em que o indivíduo está trabalhando constantemente contra uma direção.

Leia Também