Domingo, 19 de Novembro de 2017

Frio impulsiona vendas e falta aquecedor no comércio da Capital

20 JUL 2010Por 07h:27
Carlos Henrique Braga

No último fim de semana, o campo-grandense se escondeu do frio dentro das lojas e impulsionou as vendas em 9,6%, segundo Associação Comercial e Industrial da cidade. Na semana passada, levantamento apontou expansão de 30% no volume comercializado. A prova de que o motor das vendas em alta é o frio e a ausência de aquecedores no comércio. O pequeno estoque do produto nas maiores lojas de eletrodomésticos da Capital não resistiu aos seguidos dias sob sensação térmica negativa provocada pela frente fria.
Ontem, os líderes do varejo Casas Bahia e Carrefour não tinham um produto sequer. Magazine Luiza só tinha na voltagem de 220. Por telefone, vendedores disseram não haver previsão de recebimento de novos produtos. Também não era possível colocar nome em lista de espera.
Na loja do Shopping Campo Grande da Casas Bahia, os aquecedores sumiram na última sexta-feira. Portátil, basta ligar na tomada e sentir a temperatura subir junto com a conta de luz. Os preços não assustavam consumidores: R$ 99 era o mais barato; R$ 219, o mais caro. “Mudou um pouquinho o tempo, todo mundo correu atrás do aquecedor”, contou a vendedora.
No hipermercado da rede francesa Carrefour, no mesmo shopping, os produtos de R$ 125 acabaram e “não há previsão de chegar, não. Quem sabe pela internet”, recomendou a atendente.
No Magazine Luiza, no centro da cidade, restavam os aparelhos de 220 volts. Quem não tiver tempo de refazer o sistema elétrico da casa, pode esperar pelo produto de 127 volts, que tinha prazo de três dias para chegar. Preços: R$ 60 e R$ 120. Como manda a cartilha do varejo, faça frio ou calor, todos os produtos podem ser parcelados no crediário.

Conta mais cara
Aquecedores individuais são práticos e baratos, mas todo cuidado é pouco para a conta de energia não estourar o orçamento. Para calcular o gasto de um eletrodoméstico como esse, o eletricista Vanderlei Duarte, de Campo Grande, recomenda checar na etiqueta as seguintes informações: potência, medida em watts, e tensão, em volts.
Depois, é só fazer uma conta rápida: “você divide o número em watts pelo número em volts e vai dar um resultado em ampères, que é a corrente elétrica”, ensina. “Se o resultado for até 10 amperes, o aquecedor não gasta muito”. O eletricista explica que, por conter resistência, o aquecedor funciona como o chuveiro.
Ele ressalta ainda cuidados com a tomada: “se o produto gastar mais do que 10 ampères, pode dar problema na tomada. A maioria delas estraga com corrente maior do que isso”.

Menos energia
Apesar de mais aquecedores ligados nas casas, o sul-mato-grossense consumiu menos energia. De acordo com a Enersul, na última sexta-feira, foram consumidos 11,4 MegaWatts/hora (MWh), resultado 18,7% menor do que o registrada uma semana antes. No dia 9, o sistema apurou consumo de 13,5 MWh.

Leia Também