Terça, 21 de Novembro de 2017

Fortuna dos candidatos mais ricos ultrapassa a R$ 2 bilhões

1 AGO 2010Por 21h:14
Rio

Entre os 30 candidatos às eleições de outubro mais ricos do País, todos com patrimônio pessoal acima dos R$ 49 milhões, sete entram na disputa tentando se eleger suplentes de senadores. Eles são empresários e reúnem fortunas que somadas chegam a R$ 2,04 bilhões.
Levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo na base de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que esses homens, que na política almejam virar apenas reservas de senadores, têm bens vultosos concentrados em ações de empresas, terrenos, obras de arte e carros de luxo. Três desses candidatos a suplentes se destacam mais por ocuparem a terceira, a quarta e a quinta posições do ranking da riqueza.
O processo de escolha de candidatos à suplência dos senadores sempre foi nebuloso. Parentes dos titulares ou estreantes na política com muito dinheiro para ajudar a financiar campanhas são os critérios mais usados. Muitos suplentes que nunca tiveram um único voto almejam entrar para a vida pública substituindo o senador eleito - que pode se afastar para ocupar cargos no Poder Executivo ou para disputar outras eleições. Somente na legislatura que está se encerrando, 20 suplentes chegaram a exercer mandato simultaneamente no Senado - o que representa 24,7% do total de 81 cadeiras.
O empresário João Claudino Fernandes, com R$ 623,5 milhões, é o terceiro candidato mais rico do País e está filiado ao minúsculo PRTB - que não tem representação no Congresso. Vai tentar se eleger primeiro-suplente na chapa liderada por Ciro Nogueira (PP-PI), hoje deputado. Em comparação ao titular, que registrou patrimônio de R$ 1,97 milhão no TSE, João Claudino é 315 vezes mais rico.
Caso consiga se eleger e eventualmente substituir Nogueira no Senado, o candidato a suplente mais rico do País vai fazer companhia ao filho, João Vicente Claudino (PTB-PI), que se elegeu senador em 2006. Parte do patrimônio declarado por Claudino pai é uma dívida a receber de Claudino filho, de R$ 7,1 milhões. O empresário ainda anuncia a posse de 50 terrenos espalhados pelo Piauí e Maranhão.
Fundador e ex-presidente da Videolar, Lirio Parisotto (PMDB-AM) declarou patrimônio de R$ 616,05 milhões. Contentou-se em ser segundo-suplente na chapa do ex-governador do Amazonas Eduardo Braga (PMDB-AM), com R$ 16,48 milhões de patrimônio. Numa eventual vacância, a primeira a assumir a cadeira no Senado será Sandra Braga (PMDB-AM), mulher do titular.
Além de ações no mercado financeiro, Parisotto declarou R$ 450 mil em “diversas obras de arte”, R$ 51,4 mil numa moto Harley Davidson e R$ 1,4 milhão em “numerário em mãos”.
O quinto político mais rico é ex-banqueiro, ex-deputado federal e ex-secretário de Saúde do Rio: Ronaldo Cezar Coelho (PSDB-RJ) tem R$ 564,53 milhões. Apesar da experiência política - disputou seis eleições e ganhou quatro - e de ser próximo do presidenciável tucano José Serra, Coelho optou por papel coadjuvante este ano. Será primeiro-suplente do ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM), candidato ao Senado.
Pedro Chaves (PSC-MS), pirmeiro-suplente do senador Delcídio do Amaral (PT), com R$ 69,31 milhões; Osório Adriano (DEM-DF), com R$ 64,43 milhões; Raimundo Lira (PMDB-PB), com R$ 54,34 milhões; e Sander Salomão (PMDB-RR), com R$ 49,33 milhões, são outros candidatos a suplentes de senador.
A lista deos mais ricos tem como líder absoluto o vice na chapa presidencial de Marina Silva (PV). O empresário Guilherme Leal, da Natura, é o único bilionário na disputa. Seu patrimônio é de R$ 1,19 bilhão. O deputado Marcelo Almeida (PMDB-PR), que tenta reeleição, vem em segundo, com R$ 683,27 milhões.
No ranking há só um candidato a governador. Candidato do PSB em Mato Grosso, Mauro Mendes declarou ter R$ 57,15 milhões. Seu vice, Otaviano Pivetta (PDT-MT), é o sexto na lista com R$ 415,72 milhões.
Entre os 30 mais ricos, constam outros 13 candidatos a deputado federal e estadual, três ao Senado, dois a deputado distrital e um a vice-governador. O total da fortuna soma R$ 6,81 bilhões.

Leia Também