Quarta, 22 de Novembro de 2017

Fernando Henrique questiona poder de liderança de Dilma

9 FEV 2010Por SÃO PAULO01h:48
Um dia depois de ter provocado a reação dos petistas com o artigo publicado na edição de domingo (7) do jornal “O Estado de S.Paulo”, com críticas à estratégia que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva está adotando para as eleições deste ano, Fernando Henrique Cardoso voltou ontem ao ataque, colocando em xeque a capacidade de liderança da ministra- chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à sucessão presidencial. “Ela não é líder. É reflexo de um líder (o presidente Lula)”, disse ele, antes de participar da inauguração da Biblioteca de São Paulo, espaço estadual que foi inaugurado na tarde de ontem pelo governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Indagado, contudo, se considerava Lula um líder, FHC riu e respondeu: “Claro que sim, eu não sou bobo.” Fernando Henrique fez também questão de comparar o currículo de Serra, précandidato tucano à sucessão presidencial deste ano, com o de Dilma Rousseff. “A Dilma ainda não teve possibilidade de mostrar liderança. Serra inspira confiança e tem liderança, já demonstrada no Ministério da Saúde, na Prefeitura de São Paulo e no governo do Estado.” Apesar da clara defesa de Serra, o ex-presidente afirmou que o governador paulista deve manter a discrição sobre sua provável candidatura ao Palácio do Planalto. Questionado se Serra deveria mudar de atitude e falar sobre o pleito deste ano, FHC respondeu: “O PSDB tem de se posicionar. Tem candidato. (Mas) O governador tem de esperar um pouco mais.” O tucano esquivou- se, também, de definir uma data para o anúncio da eventual candidatura Serra. O ex-presidente tucano foi evasivo também ao falar sobre o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB). O mineiro postulava a vaga de candidato do PSDB nessas eleições presidenciais, mas desistiu da empreitada em dezembro. “Aécio está se dedicando a Minas Gerais. Seria deselegante dizer o que ele tem de fazer.” Fernando Henrique voltou a reiterar pontos do artigo publicado no “Estado de S.Paulo”. E disse que o governo Lula não promoveu mudanças com relação à sua administração. “Todos achavam que Lula mudaria tudo. Não mudou, seguiu adiante no que eu tinha feito. Eu achei bom”, ironizou. E continuou: “Eleição é futuro. Se o (PT) quiser, a gente compara, desde que seja dentro de um contexto, não há o que temer.”

Leia Também