Sexta, 17 de Novembro de 2017

Falta de pavimentação

2 ABR 2010Por 21h:06

Se, para quem mora em bairros de ruas pavimentadas, a chuva traz riscos de alagamentos com a força da enxurrada, transtornos ainda maiores enfrentam os moradores de bairros sem pavimentação. No Jardim Santa Emília, várias pessoas ficaram ilhadas dentro de casa. O quintal alagado e as ruas interditadas. Os ônibus tiveram de mudaram de itinerário, a coleta de lixo foi suspensa e até a entrega de compras fica prejudicada.

Esta situação é enfrentada por moradores da Rua Conde Boa Vista, como Renata Charão. Ela só consegue chegar em casa atravessando as lagoas de enxurrada que tomaram conta de toda a extensão da rua. Os supermercados se negam a entregar compras em sua casa. Ontem teve de contratar o motoentregador José Santos, que, sem outra alternativa, deixou a motocicleta na esquina com a Rua Capitão Ailton Rebouças e encarou a pé um trajeto de 400 metros em meio a água empoçada.

A dona de casa Irma Souza mobilizou os vizinhos para desobstruir a boca de lobo construída na obra de pavimentação (inacabada) da Rua Capitão Airton Barbosa. Ontem à tarde, na esquina das ruas Coronel Adaulto Barbosa e Ailton Rebouças, crianças atravessavam a "lagoa". Cícero Ramos, residente há 11 anos no bairro, já até se habituou a conviver com as ruas alagadas, situação que deve demorar por duas semanas, mesmo que não volte a chover.

A enxurrada também trouxe transtorno para os moradores do Portal Caiobá II. A Rua Ilha de Marajó se transformou num "rio". Na Rua Abussafi dos Santos, várias casas ficaram alagadas. Entre elas, a da dona de casa Maria Aparecida de Jesus. Adriana Rodrigues Araújo, moradora na Rua Libânio Figueiró, também passou pela mesma situação.

No Jardim Sayonara, a casa da diarista Rosilene dos Santos ficou alagada. Os colchões e seus móveis ficaram destruídos.

Leia Também