Sexta, 24 de Novembro de 2017

Expogrande fica internacional e espera faturamento 16% maior

20 JAN 2010Por 04h:32
A 72ª edição da Exposição Agropecuária e Industrial de Campo Grande (Expogrande) espera faturar R$ 130 milhões em negócios neste ano – 16% mais que os R$ 112 milhões de 2009. O evento, que foi apresentado ontem pela Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul), acontecerá de 18 a 28 de março e, pela primeira vez, será internacional. Já estão confirmadas as presenças de países vizinhos, como Bolívia e Paraguai. Há ainda a expectativa da vinda da Venezuela. A Acrissul pretende trazer todos os presidentes para a abertura do evento, no dia 18 de março: Fernando Lugo (Paraguai), Evo Morales (Bolívia), Hugo Chávez (Venezuela), além do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva. A participação de outras nacionalidades tem como objetivo promover uma integração entre os países do Mercosul, segundo Francisco Maia, presidente da Acrissul. “Estamos ousando e internacionalizando a feira porque queremos deixar de ser corredor de passagem do Mercosul e nos transformar no centro dele”, disse. Para Elisa Aguayo Rolon, consulesa do Paraguai, que esteve na apresentação ontem, a presença de seu país na Expogrande é de extrema importância, já que existem muitos pecuaristas brasileiros com propriedades do outro lado da fronteira. “É uma grande oportunidade para troca de experiências e promoção da união do setor. A agroindústria é a principal atividade do Paraguai e precisamos disso, assim como também queremos a participação do Brasil na nossa exposição, realizada em julho”, disse. E essa internacionalização deve se refletir diretamente nos números do evento. Além do faturamento maior, é esperada ainda a visitação de, pelo menos, 350 mil pessoas, a realização de 46 leilões, e a exposição de 1,2 mil animais nas argolas. Programação A agenda completa da Expogrande ainda não foi divulgada, mas estão previstos rodeios, provas de hipismo, palestras, competições de laço, shows nacionais, entre outras atrações. Com isso, a expectativa é de que Campo Grande tenha um incremento no movimento do setor turístico e hoteleiro – como ocorre todos os anos durante o evento. Durante a feira, também será aberto um fórum para discutir novas formas de comercialização de gado, proposto pelos criadores de Mato Grosso do Sul. A intenção é modificar a atual pesagem dos frigoríficos (de carcaça), considerada “subjetiva” pelos pecuaristas, e propor a implantação da pesagem do gado vivo. Autoridades O evento de apresentação da 72ª Expogrande contou com a presença de diversas autoridades do setor político e do agronegócio de Mato Grosso do Sul. Entre elas, a do senador Valter Pereira (PMDB-MS), presidente da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária. Ele avaliou a feira como “uma das mais importantes do País e exprime a força do principal segmento do Estado”. De acordo com Pereira, a busca por novos mercados é fundamental e o foco internacional dado neste ano deve nos favorecer no mercado externo, já que o Estado é o maior exportador de carne do Brasil e um dos primeiros na expotação de grãos. Já o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT), em seu discurso, disse que, apesar das dificuldades do setor, este é o momento propício para a realização do evento. “Mesmo com a arroba cotada na casa dos R$ 68 – preço que não vemos há três anos – acredito numa virada. Este é o momento de alavancar o agronegócio e a superssafra prevista para este ano já mostra isso”, ponderou.

Leia Também