Terça, 21 de Novembro de 2017

Estiagem melhora colheita do milho safrinha

30 JUL 2010Por 08h:23
Cícero Faria, Dourados

Os agricultores estão aproveitando o período de estiagem em julho e vão avançando na colheita do milho safrinha na região de Dourados. A partir de agora, as máquinas começarão a trabalhar dia e noite, pois a maioria das lavouras está pronta para ser colhida.
Os técnicos dos escritórios de planejamento agropecuário estimam que de 5% a 7% da área já foram retirados dos campos, com produtividade considera de boa para excelente. Essas lavouras não enfrentaram a estiagem mais acentuada de junho, por isso o rendimento está acima da média já que as chuvas foram intensas em abril e parte do mês de maio.
Em julho a estação agroclimatologica da Embrapa de Dourados registrou a precipitação de 50 milímetros. As chuvas, embora de médias, foram bem distribuídas e atrasaram o início da colheita do milho 2ª safra em algumas propriedades.
Para amanhã há previsão de chover fraco no centro-sul do Estado, com a chegada de uma nova massa de ar polar que derrubará as temperaturas a partir de segunda-feira.
Porém, a mudança do tempo não terá efeito negativo na colheita porque o tempo voltará a ficar limpo em seguida, garantindo o aumento dos trabalhos das colhedoras. Segundo o agrônomo Sérgio Miranda, as  áreas colhidas até o momento têm mostrado um alto rendimento por hectare.
Atuando no setor de revenda de insumos agrícolas, Miranda comentou ontem que “os produtores que nós atendemos com uma variedade de milho têm colhido 85, 90 até 100 sacas (6.000 kg), com os lotes limpos e secos. Outros têm tirado de   65 a 70 sacas (4.200 kg) que também é uma boa produtividade”.
O próximo  prognóstico da safra de inverno – que engloba ainda o trigo, aveia, girassol e feijão 2ª safra,  somente será feito pelo escritório regional de Dourados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatisticas (IBGE) em agosto, quando a colheita do milho  estiver em pleno andamento. Só em Dourados a safrinha ocupa área de 60 mil hectares.
Preço
O que tem desanimado os produtores de milho é o preço da saca. Em Dourados, no disponível, variou nesta semana de R$ 12 a R$ 12,50,  equivalentes a US$ 7. Os dois últimos leilões da Companhia Nacional de Abastecimento(Conab), realizados neste mês,  comercializaram 130 mil toneladas do produto, o que ajudou a movimentar estoques antigos e os futuros do milho a ser colhido.

Leia Também