Sexta, 17 de Novembro de 2017

Estado leva 620 presos para nova colônia

31 MAI 2010Por 08h:35
Silvia Tada

Os 620 internos da Colônia Penal Agrícola (CPA) de Campo Grande foram transferidos, na manhã de ontem, para o Centro Penal Agroindustrial da Gameleira, situado na saída para Sidrolândia. A operação mobilizou policiais militares das companhias Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais (Cigcoe), de Guarda e Escolta e de Trânsito, além do 1º, 9º e 10º batalhões da Capital. Quatro ônibus foram usados na transferência.
Os procedimentos começaram por volta das 9h, na CPA. Todos os internos passaram por revista e seus pertences foram guardados em sacos plásticos pretos. Depois, os presos foram embarcados nos ônibus. Os comboios foram formados por dois ônibus e quatro viaturas policiais que, pelo macroanel, seguiram para a região da Gameleira, próxima do lixão de Campo Grande.

Rotina
De acordo com o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, que esteve na CPA acompanhando os trabalhos dos policiais e agentes penitenciários, os presos que têm emprego fixo continuarão trabalhando normalmente. “Algumas empresas disponibilizam ônibus para os internos. Isso vai continuar acontecendo. Os que não têm trabalho, fazem as atividades no presídio, como cuidar da plantação ou atuar nas linhas de produção, como itens para construção, que serão iniciadas”.
O novo presídio semiaberto foi inaugurado, oficialmente, no dia 10 de maio. O local tem capacidade para mil homens (40 celas individuais e 80 com capacidade para 12 pessoas). A área a ser utilizada pela Sejusp é de cerca de 50 hectares, onde serão distribuídas plantações de cana-de-açúcar, mandioca, banana e, nos próximos dias, horta.
De acordo com a direção do novo presídio, os internos ficarão separados por idade e periculosidade e os réus primários não se juntarão aos reincidentes.

Leia Também