Quarta, 22 de Novembro de 2017

Enxurrada causa estragos na Capital

26 FEV 2010Por 00h:24
A forte chuva que atingiu Campo Grande, no início da tarde de ontem, durante uma hora e 20 minutos, inundou imóveis, danificou ruas e estruturas públicas. De acordo com o setor de meteorologia da Base Aérea de Campo Grande, foram 25 milímetros de precipitação. Desde o início de fevereiro até ontem, o volume de precipitações acumuladas chegou a 220,4 milímetros, 22% acima da média prevista para fevereiro, segundo o meteorologista Natálio Abraão Filho, da Estação Meteorológica da Uniderp/Anhanguera. As rajadas de vento atingiram 47 km/h. A coordenadoria municipal de Defesa Civil registrou pelo menos dez pontos de alagamento na cidade, além de duas casas invadidas pela enxurrada. Em 20 minutos, a central de operações do Corpo de Bombeiros recebeu sete chamados de ocorrências relacionadas à chuva, incluindo alagamento de casas e ruas, além de veículos que foram arrastados pela força da água. Na Rua Chaadi Scaff, próximo a Rua Joaquim Murtinho, a enxurrada arrancou parte do asfalto que foi parar do lado contrário e interditou uma das vias. Na região central, as pessoas tentavam esconder-se das rajadas de vento e abrigavam-se em locais cobertos. Já nos bairros Monte Castelo e Coophatrabalho, casas foram invadidas pela água e um veículo foi arrastado. O operador de produção, Má rcio A k i ra Fug imoto, 33 anos, entrou em pânico quando estava indo para o trabalho e ao passar pela Rua Júlia Maksoud, no Bairro Monte Castelo, o carro que dirigia teve pane elétrica e foi arrastado pela enxurrada. “Na hora o carro começou a rodar e no desespero saí pela janela para tentar segurar o veículo. Veja só como a gente não pensa num momento de desespero, o certo era eu sair de perto para não ser arrastado também”, contou. Já o comerciante Mauri Fernandes Rodrigues Junior, que reside na Rua Júlia Maksoud, recebeu telefonema da esposa assim que chegou ao trabalho. A casa onde ele mora há menos de um ano foi inundada pela água da chuva. “Corri para cá porque minha esposa acabou de ter neném e estava sozinha com a criança. Imagine meu desespero. O pior é que essa é a segunda vez que isso acontece em menos de um mês”, relatou. Em frente ao imóvel de Mauri, um carro foi arrastado. No local, a água da chuva acaba se acumulando porque a boca de lobo está sempre entupida. “E agora? Casei recentemente, compramos essa casa e temos que viver com esse transtorno toda vez que chove. Cadê as autoridades que deveriam resolver o problema de falta de escoamento da água na cidade”, lamentou Mauri. No Bairro Coophatrabalho, os moradores da Rua Tiruana tiveram que sair na chuva para abrir as bocas de lobo na tentativa de aumentar o escoamento da água que fica acumulada no local. “Vivo isso aqui há 15 anos e até hoje ninguém fez nada por nós”, desabafou Ricardo Franco, que mora na Rua Tiruana e teve sua casa invadida pela água da chuva. Na Rua José Antônio, quase esquina com a Avenida Fernando Corrêa da Costa, logo após a chuva, moradores e comerciantes retiravam a água que ficou acumulada nos imóveis. Segundo eles, sempre que chove ocorre o alagamento. Trânsito Pelo menos dez funcionários da Agência Estadual de Trânsito (Agetran) foram até a Rua Chaadi Scaff para quebrar a placa de asfalto que se deslocou e removê-la. O tráfego ficou lento e foi necessária a intervenção dos fiscais de trânsito para evitar a ocorrência de acidentes. O diretor presidente da Agetran, Rudel Espíndola Trindade Junior, esteve no local e disse que, se a chuva der trégua, hoje ao meio-dia a situação será normalizada. “Faremos uma ação emergencial de tapa-buraco onde saiu a placa de asfalto e o tráfego poderá fluir normalmente”, explicou. Na Rua 14 de Julho, quase esquina com a Rua Jornalista Belizário de Lima, o corte no asfalto, feito pela empresa de água e esgoto há semanas e que ainda não havia sido coberto por lama asfáltica, aumentou com a chuva. O local teve de ser fechado, sendo que apenas uma pista ficou liberada para o tráfego de veículos. Previsão O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê que a chuva deve continuar, pelo menos, até domingo. O instituto alerta para o tempo nublado, pancadas de chuva e trovoadas. Segundo Natálio Abraão Filho, o temporal de ontem deve se repetir no final de semana, porém, na semana que vem sol e calor devem voltar a prevalecer.

Leia Também