Sábado, 18 de Novembro de 2017

Empresárias usam internet para exportar

1 FEV 2010Por DA REDAÇÃO06h:50
Mostrar para o mundo as biojoias produzidas em Campo Grande, a partir do reaproveitamento de chifres bovinos, se tornou realidade para um grupo de empresárias associado à Incubadora Tecnológica da Universidade Anhanguera- Uniderp (Interp). O objetivo de Isabel Doering Muxfeldt, Anita Muxfeldt e Verhuska Tameiros é chegar a exportar 30% do que é fabricado na Jóias do Pantanal. A empresa, que saiu da informalidade em 2008, por meio da Interp, hoje também vende seus produtos para outros países. Conforme Isabel Doering Muxfeldt, a meta de 30% é para longo prazo e deve ser atingida utilizando-se da internet. Pelo site do Brasil Web Trad (https://trade. bb.com.br), do Banco do Brasil, fornecedores montam suas lojas online e vendem para compradores de vários partes do mundo. “Conhecemos essa ferramenta durante um treinamento. O sistema é seguro tanto para quem vende como para quem compra e a taxa de câmbio também é diferenciada”, comenta Isabel. Ela lembra que já vendeu as biojoias para Dubai e EUA, mas, recentemente, fez a primeira exportação formal, inclusive com certificado de origem do produto. O comprador foi de uma empresa com sede em Portugal. O segredo para tanto sucesso é resultado do empenho das empresárias para o negócio continuar prosperando. “É uma busca constante de parceiros e novas ferramentas”, afirma Isabel. Os produtos vendidos pela Jóias do Pantanal também podem ser conferidos por meio do site www.joiasdopantanal. com.br O que é a Interp A Incubadora Tecnológica da Anhanguera-Uniderp é um programa de desenvolvimento e extensão da universidade, executado pela coordenação do curso de Ciência da Computação, sob a supervisão da Pró- Reitoria de Extensão. A Interp foi inaugurada em 30 de novembro de 2001 e visa a formar um conjunto harmônico e integrado para o processo de solidificação das empresas incubadas. Entre os seus objetivos estão: criar, desenvolver e consolidar os empreendimentos tecnologicamente inovadores, de forma sistêmica, pontual e precisa, suprindo as carências decorrentes do processo produtivo na concretização do negócio e auxiliando-os de forma a viabilizar sua permanência e crescimento no mercado; consolidar micro e pequenas empresas de base tecnológica, de forma a fortalecer o agronegócio e as indústrias de pequeno porte, contribuindo com o desenvolvimento integrado e sustentável do Estado e da região do Pantanal; ampliar a cultura empreendedora da comunidade acadêmica e local; capacitar o corpo técnico da incubadora e das empresas incubadas, pré-incubadas e associadas estimulando a agregação de conhecimento como diferencial competitivo; integrar os mecanismos de Ciência & Tecnologia (C&T) disponíveis na Universidade para alavancar o desenvolvimento socioeconômico do Estado de Mato Grosso do Sul e da região do Pantanal; além de contribuir para a solidificação do Programa de Incubadoras de Empresas no País.

Leia Também