Sexta, 24 de Novembro de 2017

Em plena forma

1 MAI 2010Por 20h:55

Arcângela Mota, TV Press

 

Carla Marins conserva o mesmo jeito de menina que a caracterizou ao longo de 24 anos de tevê. Graças ao olhar meigo e à inalterável aparência angelical a atriz vive hoje, aos 41 anos de idade, um momento especial em sua carreira. No ar como a bondosa e atrapalhada secretária Serafina, de "Uma rosa com amor", Carla vibra com a oportunidade de viver pela primeira vez a protagonista de uma novela. E demonstra uma empolgação de estreante ao falar de sua personagem na trama do SBT. "É um trabalho incrível, que me abre muitas nuances de interpretação. A Serafina é leve, bem-humorada, mas não deixa de ter uma carga dramática", avalia a atriz, que na história faz par romântico com Cláudio Lins, intérprete do empresário Claude, com quem Serafina mantém um casamento de fachada.

O entusiasmo de Carla com o novo trabalho não se deve apenas ao seu posto de protagonista. Após um ano longe da tevê – tempo em que se dedicou à criação de seu primeiro filho –, a atriz volta às novelas pondo fim a um período de 22 anos na Globo, única emissora onde havia trabalhado. A ida para o SBT, segundo ela, foi fruto de um conjunto de fatores. Entre eles, a chance de trabalhar mais uma vez com o diretor Del Rangel – com quem fez "Barriga de aluguel" em 1988 – e de viver uma personagem que foi interpretada por Marília Pêra na primeira versão de "Uma rosa com amor", escrita por Vicente Sesso e exibida pela Globo em 1972. "Tudo isso me deixou muito tentada. Ser protagonista pesou, masnão foi tudo. Acreditei artisticamente no projeto", afirma.

Carla garante que só chegar à primeira protagonista aos 41 anos em nenhum momento foi motivo de preocupação. Pelo contrário. A atriz diz só ver vantagens na hora de compor a personagem. "Isso me traz maturidade e conhecimento para fazer esse papel com tranquilidade", pondera. Para ela, o mais difícil foi se acostumar a algo aparentemente mais simples: o visual desleixado de Serafina. Tudo porque, em função da baixa autoestima, a secretária não se preocupa com vaidades, ao contrário da atriz. "Confesso que enfear foi um pouco chato. Levei um tempo para me adaptar ao despojamento dela", lembra.

Já o diálogo com a comédia, outra característica marcante da personagem, é algo que Carla diz encarar com naturalidade. E a segurança para trabalhar com o gênero veio de sua experiência em 2008 no seriado "Faça sua história", da Globo, em que viveu Adalgisa, mulher do taxista Oswaldir, papel de Vladimir Brichta. "Brinquei muito com o humor esse ano e fiquei um pouco tarimbada na comédia. Por isso não foi tão difícil assimilar a Serafina", analisa a atriz, que afirma ainda não sentir saudade de interpretar personagens dramáticos. "É muito bom permear a vida com humor. E eu adoro quando isso se estende ao meu trabalho", derrete-se ela, que há alguns anos já vinha participando de trabalhos mais voltados para a comédia na Globo.

Leia Também