Terça, 21 de Novembro de 2017

Edil deve recuar e seguir na suplência

9 SET 2010Por 21h:23
Fernanda Brigatti

Após anunciar a retirada de sua candidatura a suplente de Murilo Zauith por uma vaga no Senado e deflagrar uma crise com o PMDB, o vice-prefeito Edil Albuquerque (PMDB) não deve assinar o termo de renúncia. Ontem, segundo fonte ligada a Nelsinho Trad (PMDB), após conversa com o prefeito, o peemedebista recuou da decisão de abandonar a campanha.
Um dos argumentos utilizados por Nelsinho para convencer Edil Albuquerque foi a evolução das intenções de votos para Murilo. Segundo pesquisas de consumo interno apresentadas pelo prefeito de Campo Grande, sondagens feitas no mês de junho davam a Murilo e Edil 13% das intenções de votos na Capital. Em agosto, esse índice teria saltado para 25,1%, sinal claro da evolução da candidatura dos dois, na visão de Nelsinho.
Ontem, o vice-prefeito saiu da cidade para resolver problemas pessoais e “esfriar a cabeça”. Quando Edil anunciou que deixaria a disputa, atacou o PMDB, a quem acusa de não cumprir os compromissos de campanha. Para Edil, o PMDB tratou a candidatura de Murilo com descaso. O apoio do governador André Puccinelli (PMDB) à candidatura de Delcídio do Amaral (PT), da chapa adversária, é apontado como um dos sinais de que a eleição de Murilo foi preterida. O vice-prefeito foi procurado na tarde de ontem, mas não atendeu o celular.

Leia Também