Sexta, 17 de Novembro de 2017

Dilma sobe 6 pontos e passa os 50%, mostra CNT/Sensus

15 SET 2010Por 13h:47

Brasília

Com 50,5% das intenções de voto, a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, manteve-se na liderança na simulação de primeiro turno das eleições da pesquisa CNT/Sensus, divulgada ontem. O candidato do PSDB, José Serra, aparece em segundo lugar, com 26,4%. Marina Silva, do PV, tem 8,9% da preferência. No último levantamento do mesmo instituto, a petista tinha 46% e o tucano, 28%.
Se a eleição fosse hoje, Dilma venceria no primeiro turno, com 57,8% dos votos válidos (descontados os brancos e nulos e distribuídos os indecisos). Serra teria 30,2% dos votos válidos e Marina, 10,2%. “Tecnicamente, é uma eleição decidida no primeiro turno”, disse o presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Clésio Andrade.
A pesquisa CNT/Sensus foi realizada entre os dias 10 e 12 deste mês e ouviu 2 mil pessoas, em 136 municípios de 24 Estados brasileiros. O número de registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é 29.517/2010.
A pesquisa também revelou que, a menos de um mês das eleições, a taxa de popularidade do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva atingiu novo recorde de aprovação: 78,4% neste mês, maior porcentual desde o início do primeiro mandato do presidente. A aprovação pessoal do presidente Lula subiu dos 80,5% de agosto para 81,4% em setembro, mas não é recorde. A popularidade do presidente se reflete nos números da candidata governista ao Palácio do Planalto.
Na sondagem para um eventual segundo turno, a candidata do PT venceria com 55,5% dos votos, contra 32,9% de Serra. A pesquisa também apurou que 72,7% dos eleitores não vão mais mudar seu voto para presidente da República. Para Clésio Andrade, os dados mostram que o escândalo do acesso ilegal aos dados fiscais de membros da cúpula do PSDB e da filha do presidenciável tucano, Verônica Serra, não abalou a candidatura de Dilma. “Não afetou em nada”, disse.
Mas a pesquisa ainda não reflete as mais recentes denúncias, publicadas no fim de semana pela revista Veja, que dão conta de suposto esquema de tráfico de influência em contratos públicos que seria operado pelo filho da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra. “A pesquisa não absorveu ainda a denúncia da Veja, que saiu no fim de semana”, disse Andrade. Erenice é tida como braço direito de Dilma e foi sua secretária-executiva quando a presidenciável ocupava a chefia da Casa Civil.
De acordo com a pesquisa, cresceu a rejeição aos dois principais candidatos à Presidência da República. O porcentual dos eleitores que não votariam na candidata petista passou dos 28,9% verificados em agosto para 29,4% em setembro. Já a rejeição ao candidato do PSDB, José Serra, subiu de 40,7% para 41,3%. A margem de erro da pesquisa CNT/Sensus é de 2,2 pontos porcentuais, para mais ou para menos.

Leia Também