Quarta, 22 de Novembro de 2017

Desapropriada área para praia artificial

18 FEV 2010Por 06h:58
A área de 100 hectares do loteamento Lagoa Rica, localizada na região da saída para Três Lagoas, foi desapropriada pela Prefeitura de Campo Grande e tornou-se de utilidade pública, conforme decreto publicado na edição de ontem do Diário Oficial da Capital. A desapropriação deu-se para que no local seja implantada uma praia artificial, no entanto o projeto, avaliado inicialmente em R$ 20 milhões, só será executado se a população o aprovar. Ainda conforme o Decreto nº 11.120, de 12 de fevereiro de 2010, a despesa com relação à desapropriação será paga com orçamento próprio do município e, complementado, caso haja necessidade. Segundo o prefeito Nelsinho Trad, na próxima semana, a prefeitura deve contratar um instituto de pesquisa para ouvir a opinião pública. Ele afirmou que os campo-grandenses é que irão decidir se a Praia Morena sairá do papel ou não. Proposta Conforme projeto elaborado pelo arquiteto André Costa, da prefeitura, a praia artificial será construída a cerca de 15 quilômetros de Campo Grande e contará com estrutura para banho, 1,1 mil metros de calçadão em torno da lagoa, piscinas, espaço para implantação de um clube particular, quadras para prática de esportes de praia, como vôlei e futebol e, ainda, arena para receber grandes competições e atrair eventos. A prefeitura pretende firmar parcerias para que Praia Morena não gere gastos para o município e possa se sustentar. O recurso de R$ 20 milhões para execução do projeto deve ser pleiteado por meio de emenda parlamentar do deputado federal Vander Loubet (PT) ao Ministério do Turismo. Está prevista a reserva de espaço para a construção de restaurante, praça de alimentação e quiosques, além da pavimentação de 4,5 quilômetros da estrada de acesso à Lagoa Rica e ainda um portal no início deste percurso. Um palco flutuante também poderá ser montado para receber shows com público de até três mil pessoas.

Leia Também