Segunda, 20 de Novembro de 2017

Dengue pode ter causado a décima morte na Capital

4 MAR 2010Por 05h:08
A epidemia de dengue já pode ter matado 10 pessoas em Campo Grande neste ano. Desde 2007, quando aconteceu a última epidemia, a dengue matou quatro pessoas na cidade. Três casos de dengue hemorrágica, com morte, já foram atestados por exame de laboratório, enquanto outros sete ainda estão sob investigação. No interior do Estado já estão confirmadas mortes em Dourados (duas), Corumbá e Jardim. Na terça-feira o aposentado Xisto Ramão Sadhas, 55 anos, morreu, segundo a família, com sintomas de dengue hemorrágica. Ele ficou três dias internado no Hospital do Pênfigo que até ontem à tarde ainda não tinha feito a notificação para a Secretaria de Saúde. Segundo a esposa do aposentado, Marilene Félix Rodrigues Sadhas, de 44 anos, Xisto começou a apresentar sintomas da doença na quinta-feira, além de queda da pressão. No hospital, onde foi liberado depois de tomar uma injeção, o diagnóstico foi de que ele estava com uma virose. Seu estado de saúde voltou a piorar e no sábado teve de ser internado. Na segundafeira foi encaminhado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e faleceu no dia seguinte. Além de Xisto, a mulher e a filha adolescente do casal, de 13 anos, pegaram a doença, mas com sintomas mais leves. No bairro onde a família mora, a Vila Jacy que tem uma população de 6.437 moradores, já foram registradas 211 notificações de pessoas com sintomas de dengue. Só 8 casos estão confirmados por exame de laboratório. No quarteirão onde morava o aposentado, 10 pessoas estão ou já tiveram dengue. Dona Arlene Pereira de Souza, 54 anos, por exemplo, que mora no bairro há 37 anos já contraiu a doença duas vezes. Ela acredita que a região esteja infestada do mosquito transmissor da dengue por causa do grande número de casas abandonadas. Já a aposentada Maria Marta Andrade Silva, teme ser mais uma vítima. “Eu já tenho 66 anos, tenho medo de ficar doente. Eu faço a minha parte, mas fazer o que, se não depende só de mim”, ressalta.

Leia Também