Sexta, 17 de Novembro de 2017

Delinha foi a grande companheira musical

9 FEV 2010Por 22h:15
Delinha se iniciou em 1958. “Nasci em Maracaju e morei em vários lugares. Vim para Campo Grande com 2 anos. Trabalhei desde cedo, fiz somente o primeiro ano primário. Depois fui ganhar a vida em São Paulo, onde fiquei por muitos anos. Conheci a Delinha numa viagem de férias aqui. Começamos a cantar juntos por incentivo de uma pessoa da família dela. Logo depois casamos e fomos embora para São Paulo”, destacou Délio, em entrevista em 1997. Os primeiros anos da dupla foram marcados pela dificuldade em se estabelecer no meio artístico. O nome da dupla surgiu por influência de um importante produtor da Rádio Bandeirantes na época, Capitão Balduíno. “Inicialmente, chamávamos Duo Pintassilgo, mas ele, ao anunciar, nos chamou de Casal Onça de Mato Grosso. No princípio, não gostamos muito. Depois, assumimos o apelido, mas Délio e Delinha nasceu do nome Delanira, que é o nome verdadeiro da Delinha”. Na época da entrevista, Délio calculava que a dupla havia lançado 14 discos em 78 rotações, 4 compactos e 5 CDs. Com o fim do casamento, a dupla se separou na década de 1970, ficando distante artisticamente. O retorno aconteceu nos anos 80. “Voltamos para gravar ‘O sol e a lua’ e foi um grande momento da nossa carreira”, apontou ontem Delinha. “Às vezes a gente brigava muito, mas na parte musical sempre dávamos muito bem”, prossegue a parceria musical. “No período em que estivemos separados artisticamente, todos perguntavam sobre a dupla. Acho que fazíamos falta; tanto, que quando voltamos, o carinho foi intenso por parte do público com a gente”, destacou Délio há três anos. Em 2007, Délio e Delinha gravaram um DVD para marcar os 50 anos de trajetória da dupla. Olanda, com quem viveu por 32 anos, diz que o artista se arrependia de não ter feito algumas coisas em sua carreira. “Comentava que perdeu muito tempo, podia ter conseguido mais coisas. Mesmo assim afirmava que fez tudo com muito amor”. A esposa acha que ele deixou várias canções inéditas e que poderiam ser gravadas. “Agora, temos que organizar o que ele deixou”.

Leia Também