Domingo, 19 de Novembro de 2017

Delcídio se junta a Orcírio na campanha em Dourados

26 JUL 2010Por 06h:45
Fábio Dorta, de Dourados

Depois de cair 12 pontos na pesquisa Ibrape, realizada para o Correio do Estado, e ver sua vantagem despencar de 23 para oito pontos sobre o segundo colocado, o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT), o senador Delcídio do Amaral (PT) participou de ato político com o candidato do PT ao Governo do Estado, José Orcírio dos Santos (PT). Desde o início oficial da campanha (06) eleitoral, foi a primeira vez que o senador apareceu em público ao lado do correligionário.
A aparição de Delcídio com Orcírio aconteceu na noite de anteontem em Dourados, no Clube Nipônico, no ato de lançamento oficial da candidatura do ex-prefeito Laerte Tetila (PT) à Assembleia Legislativa. O senador estava acompanhado do primeiro-suplente em sua chapa, o economista Pedro Chaves (PSC), e da segunda-suplente Zonir Tetila (PT), esposa do ex-prefeito.
A ausência de Delcídio vinha sendo criticada duramente nos bastidores da campanha do PT. Desde que a coligação A Força do Povo, encabeçada por Orcírio foi oficializada, apenas Dagoberto Nogueira vinha participando ativamente das caminhadas, panfletagens e reuniões promovidas pela coordenação de campanha.

Resquícios
Mesmo com Delcídio tendo participado do encontro em Dourados, José Orcírio demonstrou em seu discurso ainda não ter digerido a ausência constante do senador na campanha. O ex-governador citou em seu pronunciamento que setores do PT, ao invés da candidatura própria, preferiam uma aliança com o PMDB para apoiar a reeleição do governador André Puccinelli, a quem, mais uma vez, acusou de comandar o Estado como um ditador.
Recentemente, o próprio governador assegurou contar com o apoio do prefeito de Japorã, Rubens Freire Marinho (PT), conhecido como Rubão, do vereador de Bataguassu Marcílio Barreto (PT) e da secretária municipal de Educação de Aquidauana, Luzia Cunha (PT). “Eles disseram que me apoiam”, contou Puccinelli. “E tem mais gente do lado de lá que está comigo”, continuou, sem dar mais detalhes.

“Amarelou”
Orcírio disse ainda que  no primeiro debate entre ele e Puccinelli vai cobrar explicações do governador pelo fato de ter se recusado a enfrentá-lo nas eleições de 2002. “Ele amarelou e a candidata acabou sendo a Marisa Serrano (PSDB), agora a situação se inverteu e eu não fugi da disputa”, afirmou o candidato do PT.
O senador Delcídio que, curiosamente, discursou depois de Orcírio, preferiu concentrar a maior parte de seu pronunciamento em elogiar Tetila, revelando publicamente, pela primeira vez, que o convidou para ser o primeiro-suplente em sua chapa, deixando entender que o ex-prefeito preferiu disputar uma vaga na Assembleia Legislativa.
Mas o senador também não deixou de dar uma ‘cutucada’ em Orcírio. Ao dirigir-se em sua fala a Wilson Biasotto, que foi o candidato do PT à Prefeitura de Dourados em 2008, Delcídio lembrou ter participado da campanha. Foi um recado direto para Orcírio, que se ausentou da campanha petista em Dourados, sendo, inclusive, acusado por setores locais do partido de ter apoiado o atual prefeito Ari Artuzi (PDT). (Colaborou Lidiane Kober)

Leia Também