Domingo, 19 de Novembro de 2017

Decretada prisão de vereador de Rio Verde

28 JUL 2010Por 05h:16
karine cortez

Foi decretada ontem a prisão preventiva do presidente da Câmara Municipal de Rio Verde, vereador Riovaldo Pires Martins (DEM), 45 anos. Ele é acusado da morte de Laudemir Rosa Santiago Pereira, de 29 anos. O crime aconteceu na noite de domingo.
Laudemir foi morto com um tiro de espingarda do tipo cartucheira, durante uma briga na chácara de propriedade do vereador.  Riovaldo está foragido desde o dia do crime. O resultado do laudo necroscópico complica ainda mais a situação do parlamentar, porque, segundo o delegado que investiga o caso, Eder Oliveira Morais, ficou comprovado que a causa da morte foi o tiro desferido por Riovaldo.
“Ele fez um disparo, mas vários chumbinhos atingiram o jovem, inclusive no pulmão, o que acabou causando a morte conforme apontou o laudo”, enfatizou o delegado.
A briga teve início quando o cunhado da vítima, Sebastião Marques, 55 anos, discutiu com a esposa e Laudemir foi tomar satisfação saindo em defesa da irmã. Sebastião não gostou e acabou quebrando uma garrafa no tórax do cunhado, que sofreu cortes profundos no peito. Em seguida, Riovaldo pegou uma espingarda e atirou em Laudemir. A dúvida da polícia, que ficou esclarecida com o resultado do laudo, era se a causa da morte teria sido os ferimentos provocados pela garrafa ou pelo tiro.
O crime aconteceu por volta das 18h40min, na Chácara Carneiro, situada no distrito de Colônia Paredes, em Rio Verde, onde acontecia uma partida de futebol entre amigos. Todas as pessoas que estavam no local acabaram se envolvendo na briga, uns para apartar e outros acabaram agredindo Sebastião, que ficou ferido em várias partes do corpo. A polícia ainda não conseguiu descobrir quem foi o responsável pelas agressões contra Sebastião feitas com uma faca.
Tanto Sebastião, que está preso, como o vereador Riovaldo, responderão pelo crime de homicídio doloso – quando há intenção de matar –, conforme informou o delegado que investiga o caso.

Leia Também