Sexta, 17 de Novembro de 2017

De olho na dança de MS

5 JUN 2010Por 20h:28

Thiago Andrade

A dança tem se mostrado como um dos mais férteis campos das artes em Campo Grande. Espetáculos de qualidade são desenvolvidos pelos numerosos grupos que nasceram e se fixaram na Capital. Contudo, a escolha de apenas um trabalho para a mostra competitiva do 28º Festival de Dança de Joinville, que acontecerá entre 21 e 31 de julho, aponta para outro caminho.

“De todo íntimo”, da Arara Azul – Cia. de Dança Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), foi o único selecionado entre os mais de 20 trabalhos enviados. “Não tenho dúvidas da qualidade da dança produzida aqui em Campo Grande, mas talvez seja o momento de rever onde estamos acertando e errando”, defende Chico Neller, diretor e coreógrafo da companhia.

Além dessa, outras 12 coreografias de quatro grupos da Capital, inclusive a Arara Azul, e um de Corumbá foram selecionadas para apresentações nos Palcos Abertos, que serão espalhados por toda a cidade. “Embora não estejamos entre os classificados da Mostra Competitiva, a oportunidade de encenar nossos espetáculos em outra cidade, para os mais variados públicos, é bastante empolgante”, aponta Patrícia de Almeida, diretora, junto com a irmã, do Estúdio de Dança Beatriz de Almeida. A escola classificou quatro coreografias, todas de balé clássico.

Segundo a organização do festival, 1,8 mil coreografias foram inscritas, das quais 255, de 133 grupos, participarão da Mostra Competitiva. Já nos Palcos Abertos serão apresentadas 565 coreografias de 21 Estados, além da Argentina, Peru e Paraguai. De Mato Grosso do Sul, fora os grupos citados, classificaram-se Zoe Escola de Dança, Cia. Dançar, ambas de Campo Grande, e Escola de Artes Moinho Cultural Sul-Americano, de Corumbá.

Apoio
Uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos grupos para participar do Festival de Dança de Joinville é o custo para deslocamento de Campo Grande até a cidade catarinense. “Não vamos pela falta de apoio. Se tivéssemos nos classificado para a mostra competitiva, como aconteceu ano passado, tentaríamos ir”, explica Sabrina Aguilella, diretora da Zoe Escola de Dança junto de André Souza. Por enquanto, o grupo aguarda o resultado do Festival de Dança de Catanduva.

No caso da Cia. de Dança da UCDB, o apoio é oferecido pela universidade. Contudo, a Cia. Dançar, outra companhia dirigida por Chico Neller, que nasceu de uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Campo Grande e o Ginga Cia. de Dança, não irá para o festival. “Vou levar apenas o espetáculo para a mostra competitiva em razão dos custos”, pontua o diretor e coreógrafo.

Festival
Com sua primeira edição realizada em julho de 1983, o Festival de Dança de Joinville fixou-se como um dos principais e maiores espaços para a arte no País. Grande vitrine da produção artística no campo da dança, o festival já recebeu em seus palcos bailarinos de renome internacional como Mikhail Baryshnikov. Além da Mostra Competitiva e dos Palcos Abertos, as companhias de todo o País podem participar das mostras Meia Ponta, para bailarinos de 10 a 12 anos, e da Mostra Contemporânea de Dança, além de seminários, cursos e oficinas. Para obter outras informações: www.festivaldedanca.com.br.

Leia Também