Domingo, 19 de Novembro de 2017

Custo da carne varia até 70% na Capital

17 FEV 2010Por 07h:40
Os cortes das carnes bovinas mais consumidas variam em até 70% no comércio de bairros populosos de Campo Grande. A maior diferença é no quilo do contrafilé, vendido a R$ 9,98 nas Moreninhas, e a R$ 16,99 no Jardim dos Estados. Este tipo de carne também apresentou maior inflação em janeiro. Segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC/CG), o contrafilé ficou 11,4% mais caro, em comparação com o mês anterior. A reportagem do Correio do Estado percorreu, na segunda-feira, oito regiões da Capital — Moreninhas, Jardim dos Estados, Jóquei Clube, Aerorancho, São Francisco, Chácara Cachoeira, Santo Amaro e Coophasul —, e confirmou o que o consumidor já sabe: quanto mais desenvolvida é a região, mais alto o custo de vida e o valor desembolsado para encher o carrinho na hora das compras. A diferença de preços é explicada pelos gastos que os comerciantes têm para manter o negócio, como aluguel e impostos, mais caros em áreas nobres. Dos oito tipos de carne pesquisados — acém, alcatra, contrafilé, coxão mole, músculo, patinho, frango congelado e pernil suíno —, os seis mais caros foram encontrados no Jardim dos Estados. O supermercado da maior rede local vende o coxão mole a R$ 15,60, enquanto o açougue nas Moreninhas, na saída da cidade, cobra R$ 9,98 pelo quilo do produto, 56% mais caro no bairro nobre. A diferença é a mesma observada no preço do patinho, que custa R$ 12.99 nas gôndolas do Jardim dos Estados, e R$ 8,28 no balcão do açougue nas Moreninhas. Para os dois cortes, a inflação medida pelo IPC/CG no período foi de 5,4% e 5,47%, respectivamente. As Moreninhas têm ainda o corte de alcatra mais barato das regiões pesquisadas, vendido também a R$ 9,98. Ao contrário dos outros tipos de carne, o músculo, a R$ 4,99, tem o mesmo custo no Jardim dos Estados e no Aerorancho. Ave e suíno Os va lores das carnes de frango e suíno são mais equ i l ibrados nas regiões analisadas. O quilo de frango congelado Copacol custa, em média, R$ 4,90. O produto mais caro está no Santo Amaro, onde a ave é vendida por R$ 6,45. Já o pernil suíno é comercializado, em média, a R$ 5,67 nos bairros periféricos, valor próximo ao encontrado nos bairros centrais. No entanto, no Jardim dos Estados, onde ele só está disponível na versão temperada, o consumidor paga R$ 11,99 pelo quilo. O frango foi um dos poucos itens que teve deflação em janeiro (-1,21%), ao contrário do pernil suíno, que ficou 6,71% mais salgado. A pesquisa serve como ferramenta de comparação de preços para o consumidor, e não tem caráter científico.

Leia Também