Quarta, 22 de Novembro de 2017

Cruzeiro enfrenta altitude por vaga na Libertadores

27 JAN 2010Por SUCRE, BOLÍVIA08h:06
Depois de cinco dias de treinamento em Sucre, adaptando- se à altitude de 2.800 metros, hoje o Cruzeiro “sobe a cordilheira” para Potosí, a quase quatro mil metros acima do nível do mar, para enfrentar o Real Potosí, no primeiro jogo do mata-mata da pré-Libertadores. Apesar de saber das dificuldades que vão encarar, os jogadores estão confiantes e acreditam até em uma vitória fora de casa. O técnico Adílson Batista, até o final da tarde de ontem, não havia confirmado a escalação, mas deve optar por Pedro Ken no meio campo. Como já adiantou que quer ver o time jogando mais próximo, mais compacto, para diminuir os prejuízos causados pelo ar mais rarefeito, a entrada do recém-contratado daria mais poder de marcação à equipe. Assim, a única alteração em relação à estreia no Campeonato Mineiro – goleada por 6 a 0 no Uberaba – deve ser a saída de Bernardo. O técn ico cruzeirense mantém a cautela para o jogo desta noite. “Vai ser um jogo difícil. Temos que jogar com muita inteligência, tocar bem a bola, valorizar a posse de bola. O desconforto vai existir, mas eles (jogadores) precisam superar. É um jogo muito importante e nós sabemos desta responsabilidade”, concluiu. Do outro lado, o técnico do Real Potosí, Sergio Apaza, esbanja confiança. “O grupo está convencido de que pode ganhar. Na parte física, na parte técnica e tática, estamos muito bem. Tem que fazer a parte mental. São 180 minutos. Primeiro, queremos jogar bem, queremos ganhar. Depois, se possível, fazer uma boa vantagem para o jogo de volta”, afirmou. A confiança é tanta que ele deve mandar a campo um time bem ousado para encarar o Cruzeiro, com três atacantes: Ruiz, Yecerotte e Andaveris. Além da empolgação dos bolivianos e dos efeitos da altitude, o Cruzeiro também pode ter mais um grande adversário: o clima. Nos últimos dias, tem chovido bastante na cidade de Potosí e a temperatura oscilado entre quatro e cinco graus.

Leia Também