Segunda, 20 de Novembro de 2017

Crime organizado continua movimentando dezenas de bilhões de reais

3 SET 2010Por 20h:12
O crime organizado no Brasil continua movimentando dezenas de bilhões de reais, apesar das constantes ofensivas contra ele. Pelo menos essa é a avaliação do presidente do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC) e procurador-geral do Ministério Público de Santa Catarina, Gercino Gerson Gomes Neto, que se encontra em Campo Grande, participando da 23ª Reunião do GNCOC. Mesmo admitindo que não existem números oficiais sobre os prejuízos aos cofres públicos, ele afirmou que o montante é ainda muito elevado.
Somente em uma única operação, realizada no ano passado, em 10 estados, os ministérios públicos e serviços de inteligência das receitas federal e estadual desmontaram uma organização criminosa responsável pela sonegação de R$ 4 bilhões. A cifra, mencionada ontem por Gercino Gomes, é uma amostra do volume financeiro movimentado pelo crime organizado no Brasil, para o qual não existem estatísticas definidas. “Não tenho esse dado estatístico, mas seguramente, dezenas de bilhões de reais”, comentou.

Resultados
No caso da megaoperação realizada no ano passado, acrescentou o presidente do GNCOC, foram centenas de denúncias e mais de um milhar de fiscais atuando com promotores de Justiça e procuradores da República no Brasil inteiro, que resultaram em prisões, cumprimento de mandados de busca e apreensão e ajuizamento de diversas ações penais por sonegação.
Mais recentemente, em 26 de agosto último, houve outra operação de abrangência nacional para combater fraudes e sonegação fiscal no setor de comercialização de medicamentos, que resultou em 11 mandados de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Goiás. “Estima-se que as fraudes praticadas pelos integrantes da quadrilha causaram prejuízo aos cofres públicos em cifras superiores a R$ 100 milhões”, informou.  

Operações
Ainda conforme informações do presidente do GNCOC, o número de operações de combate ao crime organizado tem crescido no País na última década por causa de um conjunto de fatores. “O primeiro é que aumentam as denúncias, aumentam as investigações e você vai descobrindo mais e mais crimes. Mas é evidente que a criminalidade está se organizando, então é uma tendência aumentar o crime organizado em relação ao crime comum, que apesar de em grande número, é de pequena significância — não para aquela pessoa que sofreu o crime, por óbvio, eu estou falando de maneira geral para a sociedade”, analisou Gercino Gomes.
Ainda segundo ele, “os danos do crime organizado são maiores, então as organizações estão se estruturando cada vez mais, porque elas sabem que assim ganham mais dinheiro”. (DA)

Leia Também