Quinta, 23 de Novembro de 2017

Corolla com mais força

19 MAR 2010Por 04h:13
Depois de retomar no fim do ano passado a liderança do segmento de sedãs médios no mercado brasileiro, a Toyota mostrou que não está disposta a perder o posto e melhorou o Corolla no ponto em que ele era mais vulnerável quando comparado aos seus concorrentes: o desempenho. Desde ontem as revendedoras da marca japonesa no Brasil já disponibilizam o modelo com o novo motor 2.0 Dual VVTi Flex, que é mais potente, porém, gastando praticamente o mesmo combustível que o conhecido 1.8 VVTi Flex. Com o ex-líder e principal concorrente, Honda Civic, ainda no retrovisor, e para evitar a aproximação dos possantes rivais franceses no segmento de mercado que é acostumada a dominar, a Toyota relativizou a máxima futebolística de que “em time que está ganhando não se mexe“. A versão 2011 do Corolla ainda é a mesma para quem vê, mas tornou-se mais poderosa e confortável para quem dirige. O motor mais potente (153 cv álcool/ 142 cv gasolina) deixou o Corolla muito mais esperto. O carro acelera de 0 a 100 km/h em 11,6 segundos, e leva apenas 7,55 segundos para ir de 60 km/h a 100 km/h, situação comum em ultrapassagens. Esta melhora no desempenho deixa o automóvel da Toyota pronto para brigar na pista com os rivais Citroën C4 Palllas, Peugeot 307, Renault Megane, Nissan Sentra e Chevrolet Vectra - todos com motor 2.0 -, e para, com o pé no acelerador, levar vantagem sobre o Honda Civic, seu principal oponente, e único do segmento que continua com motor 1.8. Além da potência maior, o novo propulsor da montadora também introduz em seus modelos nacionais o duplo comando de válvulas variável (Dual VVTi). A diferença desta nova tecnologia para a VVTi, empregada no motor 1.8, é que o comando variável se faz presente nos processos de admissão e exaustão da combustão, enquanto que no 1.8 o funcionamento com este processo mais inteligente existe apenas na admissão. “Esta nova tecnologia dá um ganho de potência, e garante um consumo baixo de combustível”, traduz o engenheiro-chefe da montadora japonesa, Kenji Watanabe, responsável pelo desenvolvimento do motor, criado exclusivamente para o mercado brasileiro. Na estrada, o Corolla 2.0 faz, segundo a marca, 10,1 quilômetros com um litro de álcool, e 12,8 quilômetros com um litro de gasolina. Na cidade, a média é de 6,1 km/l (álcool) e 8,22 km/l (gasolina). Os índices são praticamente os mesmos do Corolla 1.8. “Diferentemente da maioria dos motores disponíveis no mercado brasileiro, este 2.0 foi feito para operar com dois combustíveis, e não criado como motor a gasolina, e depois adaptado para também aceitar álcool”, finalizou Watanabe. Câmbio As versões 2.0 do Corolla trouxeram novidades para o sistema de transmissão. Elas serão equipadas exclusivamente com um câmbio automático diferente do disponível para os motores 1.8. Agora, as trocas de marcha, quando no modo esportivo de condução, além da alavanca, também poderão ser feitas por meio de borboletas localizadas atrás do volante, como nos carros de Fórmula 1.

Leia Também