Sábado, 18 de Novembro de 2017

Brasileirão

Corinthians vence o Vitória em casa no retorno de Ronaldo

30 AGO 2010Por 07h:36

São Paulo

No  retorno de Ronaldo ao Corinthians, o time paulista derrotou o Vitória por 2 a 1, no Pacaembu. Iarley e Paulinho marcaram os gols dos anfitriões. Kleber Pereira descontou. O resultado levou o Timão a 34 pontos, na segunda colocação da competição. Já o Vitória parou nos 21 pontos e segue na zona intermediária da tabela.

Ronaldo deu um grande susto na torcida aos dois minutos. Após tentar um lançamento, Ronaldo sentiu dor na virilha e caiu no meio do gramado. Pouco depois de ser atendido, porém, voltou e foi aplaudido pela torcida.
Melhor em campo, o time paulista abriu o placar aos 10 minutos. Do campo de defesa, Roberto Carlos lançou para Iarley, que desviou de cabeça, encobrindo o goleiro Viáfara.

Após o gol, o Timão seguiu dominando e já nos acréscimos da primeira etapa, Elias fez boa jogada e invadiu a área; Gabriel tentou desarmar o volante rival e acabou entregando a bola nos pés de Paulinho. Sozinho, o camisa 15 só empurrou para as redes, ampliando a vantagem.

O Vitória voltou para o segundo tempo dando espaços para as chegadas do time da casa. Aos 11 minutos, Elias acionou Ronaldo e o atacante cruzou rasteiro para Bruno César, que chutou em cima de Viáfara e perdeu a chance; na sequência, Ronaldo recebeu levantamento na área e ajeitou de cabeça para chute forte de Paulinho, que parou no goleiro colombiano.
Cansado e sentindo a falta de ritmo, Ronaldo deixou o gramado aos 16 minutos para a entrada de William Morais. Adilson Batista foi forçado a fazer mais duas alterações por lesão nos minutos seguintes: Chicão e Paulinho deram lugar ao estreante Thiago Heleno e a Boquita, respectivamente.

No Vitória, Toninho Cecílio abriu ainda mais o time com Evandro e Kleber Pereira nas vagas de Bida e Vanderson. O time se lançou à frente e conseguiu diminuir o placar aos 37 minutos, com participação da dupla: Evandro bateu falta da meia direita e Kleber Pereira, sozinho, desviou bem de cabeça, sem chances para Júlio César.

Leia Também