Terça, 21 de Novembro de 2017

Conjuntura do milho ameaça renda do produtor

19 ABR 2010Por 08h:13
Maurício Hugo

Salvar a renda dos agricultores é a meta de lideranças do setor e do Governo do Estado. Prevendo-se o aumento ainda maior nos estoques de milho após a colheita da safrinha deste ano, a expectativa é de que a cotação do produto caia ainda mais.
É preciso que o Governo federal, que por estar em ano de eleição já iniciou o contingenciamento de verbas, mantenha o preço mínimo do produto e, também, os instrumentos importantes para a comercialização da safra como o PEP – Prêmio para Escoamento de Produtos e o Pepro – Prêmio de Equalização Pago ao Produtor.
Já se comenta a possibilidade de o Governo federal reduzir o preço mínimo do milho quando começar a colheita da safrinha. Para os produtores, isso seria um desastre, uma vez que o preço mínimo, hoje um pouco acima dos R$ 17, já não cobra os custos de produção. Se receberem ainda menos do que isso, estará seriamente comprometida a renda do setor, com possibilidades de dificuldades para que os agricultores continuem plantando, cultivando a próxima safra de verão.

Os prêmios
Conforme o Plano de Safra 2009/2010, o Prêmio para Escoamento de Produtos – PEP tem como objetivo garantir ao produtor o preço mínimo. O Governo paga o prêmio ao comprador que garanta ao agricultor pelo menos o preço mínimo e que encaminhe o produto para uma região pre-determinada, de acordo com as necessidades de abastecimento do País. Com esse mecanismo, o Governo pode conduzir uma política de complemento do abastecimento para regiões com déficit nessa área e melhorar a distribuição dos produtos agrícolas.
Ocorre que, na atual conjuntura, com um estoque de milho que em Mato Grosso do Sul hoje supera um milhão de toneladas, e com a perspectiva de colheita de mais 2 milhões e meio de toneladas dentro de alguns meses, nem existe necessidade de uma política de abastecimento, pelo menos para o milho, já que há excedente em todo o País. Por isso o temor de que o Governo possa alterar o preço mínimo ou que não aplique nessa safrinha a política de prêmios.
O Prêmio de Equalização Pago ao Produtor - Pepro também visa garantir que o produtor venda pelo preço mínimo. Para isso o Governo paga ao produtor a diferença entre o preço de sua venda ao mercado e o preço mínimo, caso o preço de mercado esteja abaixo do mínimo (como é a situação atual).

Grandes estoques
Conforme opinião do superintendente de Agricultura da Secretaria da Produção e do Turismo de MS, Jerônimo Alves Chaves, a expectativa é de que o Governo federal novamente garanta os recursos para a comercialização da safra. Segundo ele, foi colhida uma boa safra de soja e milho, e Mato Grosso do Sul conseguiu armazenar a safra, tendo sido muito importante, para isso, a liberação dos armazéns da Cooagri. “O problema é que o excedente de milho pressiona ainda mais os preços para baixo. Isso vai exigir que o Governo federal garanta o preço mínimo e a comercialização. Desta forma estará garantida a renda aos produtores. Também será importante que o dinheiro chegue na hora certa”, finalizou.

Leia Também