Quarta, 22 de Novembro de 2017

Concessionárias apostam em alta de 40% nas vendas

2 MAR 2010Por 06h:20
A expectativa dos gerentes das concessionárias de veículos de Campo Grande, é que março seja o melhor mês da história da revenda da Capital, com incremento de até 40% nas vendas sobre as do mesmo período do ano passado. O fim da isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que vigora há 14 meses, é o carro-chefe e deve impulsionar o comércio de automóveis nos próximos 30 dias. A isenção do imposto encerra- se em 31 de março e é maior sobre os veículos 1.0 Flex, que hoje têm um índice de 3% e voltará para 7,5%. O preço final do Celta, por exemplo, é de R$ 26.360 e o comprador recebe benefício de R$ 1.186, já computada a isenção. Com o retorno do IPI, essa redução será incorporada ao valor final do veículo e poderá ficar entre 3,5% e 4% mais caro. Os carros movidos a gasolina, hoje isentos de 3%, passarão para 7%. Segundo o gerente da Perkal, Carlos Villa Maior, na loja são cerca de 450 unidades, de todos os modelos, que serão vendidos com o benefício. O financiamento é de até 60 meses, com zero de entrada. “Teremos um recorde de vendas e acreditamos que seja em função do final do prazo do tributo”, diz Villa. Melhor da história Também o gerente comercial da Smaxx, Wilson Minari, espera incremento das vendas de 18% a 20% superiores a fevereiro e 40% maior do que em março de 2009. Esse otimismo, segundo Minari, deve-se à coincidência com a safra de grãos no Estado. “Se a chuva reduzir, permitindo a retirada dos grãos da lavoura, esse será o melhor março da história da revenda de Campo Grande”, frisa. Já as montadoras não estão contestando o fim do benefício, embora algumas delas acreditem que ainda não seja o momento ideal para a retirada. A isenção para os carros 1.0 e redução para os de maior cilindrada, beneficiou as indústrias em dezembro de 2008, resultando em vendas recordes, enquanto no mesmo período, em outros países, os negócios paralisaram. Por outro lado, a expansão e facilidade do crédito, deverá manter os negócios do setor em alta.

Leia Também