Terça, 21 de Novembro de 2017

Comunidade discute sobre espaço cultural multiuso

13 AGO 2010Por 06h:52
OSCAR ROCHA

Até terça-feira, moradores da região do Conjunto Estrela do Sul, representantes da prefeitura de Campo Grande e do Governo Federal participam de várias atividades com o objetivo de debater e planejar as ações que serão feitas no Espaço Mais Cultura, que será instalado na região no próximo ano. Os recursos de R$ 670 mil são originários do Ministério da Cultura e o projeto está incluído no Programa Aceleração do Crescimento – PAC/Segredo.
A previsão é de que o centro de cultura conte com um palco coberto ao ar livre, cinema, biblioteca e salas para oficinas. Em um primeiro momento, 14 capitais estão sendo atendidas pelo programa, sendo que já foi inaugurada o de Fortaleza. Atualmente, a etapa de Campo Grande está no processo de licitação, com previsão de início da obra até o fim deste ano.
A intenção do programa não é somente oferecer o espaço físico, quer que a própria comunidade participe, mesmo na fase de projeto e das discussões em torno do funcionamento. Para isso, realiza ações especiais denominadas Canteiro Mais Cultura.  “Na primeira etapa fizemos uma expedição, termo que utilizamos dentro do projeto, até o local onde será instalado espaço, buscamos localizar as lideranças junto com a prefeitura. A partir deles, mobilizar as pessoas da região para o projeto. Em outra etapa, trouxemos até Brasília dois representantes da prefeitura e dois da comunidade para um curso de formação, buscando estabelecer a aproximação entre poder público e comunidade em torno da utilização do equipamento que será instalado”, explica a coordenadora de Ações do Programa Mais Cultura, Mônica Monteiro.
O processo de mobilização envolve a realização de um mutirão comunitário no fim de semana: o “Mão na massa”. Os moradores são ouvidos e participam do planejamento e da realização de ações locais, como intervenções arquitetônicas, artísticas e paisagísticas, planejamento de exposições, eventos, festas e desenvolvimento de produtos culturais para geração de trabalho e renda. Outra iniciativa é a elaboração de roteiro de visitação a locais e projetos socioculturais existentes na região.
O evento será encerrado na terça-feira, com a avaliação das atividades e o planejamento das próximas etapas, como a constituição de um conselho gestor do equipamento, que reunirá moradores, instituições e representantes do governo municipal. Segundo o Ministério da Cultura, cada local, a partir da sua realidade, decide as ações a serem destacadas pelo Espaço Mais Cultura. Um exemplo é a oficina de animação que será implantada em Florianópolis (Santa Catarina). No caso de Fortaleza, as oficinas atendem público mais jovem.
Este segmento, por sinal, recebe atenção na parte de lazer com hip-hop e skate. Enquanto o espaço cultural de multiuso não é entregue à comunidade, os moradores promovem ações, com incentivo do Ministério da Cultura, como criação de blogs, sites, entre outros.

Leia Também