Quinta, 23 de Novembro de 2017

Comet GT 250 R EFI tem cara de esportiva

29 JAN 2010Por ALDO TIZZANI, AGÊNCIA INFOMOTO01h:47
Motos com características esportivas, independente da cilindrada ou da potência, sempre causam fascínio entre os motociclistas. Para pilotos em ascensão que já passaram pelas populares 125 cc e querem se destacar na multidão, uma opção é a Comet GT 250 R EFI. De origem sulcoreana, o modelo 2010 da Hyosung, que chega ao País com a marca Kasinski, ganhou injeção eletrônica de combustível para alimentar seu motor de dois cilindros em “V”, única no segmento e a mesma arquitetura utilizada na maioria dos modelos custom. Com preço promocional – vendida a partir de R$ 15.100 nas cores preta e vermelha – a Comet GT 250 R EFI pode ter um desempenho de vendas ainda melhor do que em 2009, quando foram emplacadas 1.425 unidades da esportiva de 250 cc da Kasinski, marca que hoje pertence ao grupo sinobrasileiro CR Zongshen. Vai poder brigar de igual para igual com sua principal concorrente (1452 unidades vendidas no ano passado), a Kawasaki Ninja 250, equipada com motor de dois cilindros paralelos, que produz 33 cv de potência máxima. Hoje, a “Ninjinha” é vendida a R$ 15.500. Já o modelo Kasinski em duas tonalidades de cor, igual ao modelo testado, tem preço sugerido de R$ 15.600. Com carenagem e tanque volumosos, a Comet GTR tem “pinta” de ser uma moto de maior cilindrada. Seu design, digno de elogios, e o bom nível de acabamento chamam a atenção e arrancam suspiros dos proprietários de motos menores. Já o motor deixa um pouco a desejar nas acelerações e retomadas. O “V2” de 249 cm³ tem duplo comando no cabeçote e arrefecimento a ar e óleo: gera 29,2 cv a 10.500 rpm de potência máxima e 2,31 kgf. m de torque máximo a 8.000 rpm. Porém mesmo equipado com injeção eletrônica, as rotações do motor crescem de forma lenta e “preguiçosa”. Para desfrutar da “esportivinha” da Kasinski, o motociclista tem que manter o giro acima dos 7.000 rpm. Caso contrário, vai se sentir pilotando uma 125cc. Esse caráter mais “esportivo” não chega a ser um defeito, apenas cansa um pouco nos deslocamentos urbanos, porém se torna divertido em estradas. Só para comparar, a Honda CB 300R e a Yamaha Fazer 250 oferecerem uma menor potência em seus motores monocilíndricos, mas ambas tem mais torque em rotações menores – entre 6.000 e 6.500 rpm – o que lhe conferem mais agilidade em meio ao trânsito urbano. Com uma embreagem macia, o câmbio de cinco marchas está bem escalonado. Tem engates suaves mas, às vezes, não muito precisos. Resumindo: para ter uma tocada mais esportiva, o motor da Comet GTR precisa trabalhar sempre “cheio”, com o ponteiro indicando altas rotações. Ao guidão O conjunto de suspensão e freios tem desempenho de acordo com a proposta da GT 250 R. Na dianteira, o garfo invertido (upside-down) de 120 mm de curso é bastante rígido e estável até mesmo em altas velocidades – a esportiva Kasinski chegou a 150 km/h no velocímetro digital. O freio com dois discos flutuantes de 300 mm e pinça de dois pistões proporcionou frenagens eficientes. Exceto quando exigido nas constantes chuvas que caem sobre São Paulo nesse primeiro mês do ano, o sistema molhado apresentou um funcionamento “borrachudo”. Completa o conjunto de freios, um disco simples de 230 mm com pinça de dois pistões atrás. Na traseira, a suspensão monoamortecida, com ajuste na précarga da mola, também tem 120 mm de curso. Nas esburacadas ruas paulistanas, o conjunto é castigado em função do pouco curso, mas qual veículo não sofre? Para ajudar na tarefa de absorver impactos, a moto está calçada com pneus Pirelli MT 75, medidas 110/70-17M/C 54H (D) e 150/70-17M/C 69H (T). Outro ponto que deve ser levado em consideração é a ergonomia. Na Comet GTR o piloto adota uma postura bastante racing, isso em função dos semiguidões, das peda- Na traseira alças da garupa com novo design e a nova lanterna GUSTAVO EPIFANIO / AGÊNCIA INFOMOTO S e rv i ç o Fique de olho no óleo da sua motocicleta “Eu troco o óleo toda semana”. “Não deixo passar dos 1.000 km”. “O ideal é trocar na metade do recomendado pelo fabricante”. Esses são apenas alguns dos mitos que existem sobre a troca de óleo nas motos. Perdido no meio dessa confusão toda, o motociclista, que se preocupa com a manutenção do seu veículo, fica sem saber qual a hora certa de troca o óleo de sua moto. A dúvida não deveria nem existir, afinal em todo “Manual do Proprietário” que acompanha as motocicletas há as recomendações dos fabricantes sobre o óleo correto e o intervalo entre cada troca de óleo. Mas o que fazer quando até mesmo na própria concessionária autorizada o mecânico recomenda substituir o fluido antes do recomendado? “Realmente, 90% dos mecânicos que recebem treinamento trocam na metade do intervalo recomendado”, admite Alexandre Hernandes, Instrutor Técn ico da Yamaha Motor. Responsável por capacitar os mecânicos das oficinas autorizadas, Alexandre afirma que isso acontece porque os mecânicos acreditam que dessa forma o motor dura mais. “Essa ideia vem da década de 80 quando os óleos duravam menos. Agora a tecnologia dos óleos evoluiu muito e o fluido dura mais”, explica. Ao longo dos anos, assi m como as motos, os óleos evoluíram. Tanto na viscosidade como nas especificações da API (American Petroleum Institute). “Antes os óleos atendiam normas mais antigas da API, agora o Yamalube, óleo recomendado pela Yamaha para suas motos, atende à norma SL, quer dizer uma especificação mais moderna, o que permite um maior intervalo na hora de trocar o óleo”, ressalta o Instrutor da Yamaha. Nas motos de baixa cilindrada da marca, como por exemplo, a YBR 125 Factor, a fábrica recomenda a troca de óleo a cada 3.000 km – exceto na primeira troca que deve ser feita aos 1.000 km junto com a revisão. Porém, uma rápida visita aos fóruns na internet ou uma conversa com motociclistas mostra que a maioria faz a substituição a cada 1.000 km, inclusive com recomendação da concessionária. “Os concessionários recomendam isso porque sabem que a maioria dos clientes não verifica o nível do óleo entre as trocas. Então para evitar problemas recomendam que se troque o óleo na metade do tempo”, justifica Alexandre. Alexandre aproveita para alertar os motociclistas: “mesmo que a troca seja recomendada a cada 3000 km o motociclista precisa verificar o n ível de óleo periodicamente e, se necessário for, completar com o mesmo óleo utilizado”. Se o motociclista utilizar um óleo diferente, o fluido pode perder suas características, alerta ele. O engenheiro da Honda Alfredo Guedes faz coro e admite que a troca do óleo antes mesmo que o recomendado pela montadora também acontece em concessionárias da marca. “O consumidor é resistente a mudanças. Antes, quando o óleo tinha especificação inferior, a troca devia ser feita aos 1500 km. Desde a CG 150, passamos a recomendar o óleo Mobil Super Moto 4T que tem viscosidade 20W50 e atende à norma API SF, portanto as trocas passaram para cada 4000 km. Com exceção da primeira que deve ser feita obrigatoriamente aos 1000 km ou após seis meses.”, explica Guedes. A validade do óleo também é outro fator a ser levado em conta. Após sair da embalagem o óleo dura seis meses. Mesmo que a moto não rode a quilometragem indicada, depois desse período o óleo deve ser substituído. O óleo certo Alfredo Guedes também alerta para o uso do óleo correto, ou seja, aquele recomendado pela montadora. “O consumidor deve sempre usar o óleo recomendado pelo fabricante. Pois já fizemos exaustivos testes em bancadas, ou rodando em condições severas. leiras recuadas, além do pequeno banco. Se a sua ideia é rodar todos os dias, saiba que essa Kasinski não prima pelo conforto. Não é uma moto para percorrer grandes distâncias, mas pode ser uma ótima companheira em trechos sinuosos, principalmente porque o piloto fica bem encaixado. O motociclista fora de forma – como eu – pode sentir dores nas costas em função da posição de pilotagem. Além da injeção, a linha 2010 da Comet GT 250 R ganhou novas carenagens laterais, que conferem modernidade ao modelo. Os assentos foram redesenhados. A moto traz alças da garupa com novo design e a nova lanterna traseira com LEDS, além do escapamento em aço inox. Para melhor visualização, o painel de instrumentos da mini esportiva da Kasinski está equipado com painel digital e contagiros analógico, além de luzes espia e marcadores de temperatura e nível de combustível.

Leia Também