Segunda, 20 de Novembro de 2017

BOA DE BRIGA

Com a Zig, Dafra estréia na categoria CUB

22 JAN 2010Por ALDO TIZZANI, AGÊNCIA INFOMOTO07h:11
Lançada no Salão Duas Rodas 2009, em outubro, o Zig é o primeiro modelo da Dafra Motos na categoria CUB. Prática e fácil de pilotar, a pequena moto de 100 cc é uma boa alternativa ao transporte coletivo e aos motociclistas iniciantes, já que traz câmbio rotativo e embreagem centrífuga, comum do segmento liderado pela Honda Biz, no Brasil. De origem chinesa, a Zig conta ainda com partida elétrica, rodas de liga leve e freio a disco na dianteira como itens de série. A expectativa da marca é comercializar 15 mil unidades do modelo já no próximo ano. O preço sugerido é de R$ 4.710. Apesar de ser carburada, a Zig já atende as normas da terceira fase do Promot (Controle de Poluição do Ar por Motocicletas e Veículos Similares). Para se enquadrar à regulamentação ambiental para a emissão de gases, a Dafra Zig ganhou catalisadores. Motor e câmbio Muito parecido com o utilizado na aposentada Yamaha Crypton, o motor da Zig é um monocilíndrico, OHC (comando simples no cabeçote), quatro tempos, duas válvulas com refrigeração a ar. O propulsor gera 7,8 cv de potência máxima a 7.500 rpm e torque de 0,82 kgf.m a 6.000 rpm. Com apenas 101,8 cm³ de capacidade cúbica, o desempenho do propulsor não é de arrepiar, mas está de acordo com sua proposta urbana. Na prática esta CUB tem força suficiente para largar na frente dos carros quando o farol abre, além de ter baixo consumo de combustível. Rodando exclusivamente na cidade, o modelo fez 34,5 km/l. Um dos defeitos do propulsor é que, mesmo equipado com balanceiro, grande parte da vibração é sentida pelo piloto por meio das pedaleiras. Já seu sistema de transmissão é o típico das motos CUB – câmbio rotativo de quatro marchas, com embreagem centrífuga semiautomática, ou seja, não há manete de embreagem, basta pisar no pedal de câmbio para trocar as marchas. Fácil de pilotar, a Zig pode ser usada tanto em condomínios fechados, em ruas tranquilas do interior do País, como também para enfrentar o trânsito dos grandes centros. Ela não foi feita para o trabalho pesado, mas sim para servir de meio de transporte. Neste projeto ficou claro que a Dafra privilegiou a dirigibilidade em detrimento à funcionalidade. Pois a Zig conta com roda de 17 polegadas na traseira em vez da tradicional medida de 14 polegadas. Em função da roda maior, não há espaço na Zig para transportar pequenos objetos ou guardar o capacete sob o banco. Mais estreito que a concorrência, o assento em dois níveis é revestido com tecido antiderrapante. “Esbelta”, a CUB da Dafra se sai bem na difícil tarefa de trafegar entre os carros. Ciclística Com 95 quilos de peso a seco, a Zig traz em sua parte ciclística soluções clássicas. Na dianteira, garfo telescópico com 70 mm de curso e freio de disco simples de 220 mm de diâmetro, mordido por uma pinça de dois pistões. Na traseira, suspensão bichoque com 55 mm de curso e freio a tambor. Nas esburacadas ruas e avenidas da cidade de São Paulo, o conjunto de suspensão “aguentou bem o tranco”. Mas dentro de suas características, limitações e proposta, a motinho prefere pisos em bom estado. Para auxiliar neste trabalho de amortecimento e frenagem, a CUB da Dafra está calçada com pneus nacionais fabricados pela Levorin - 2.50-17 38P (Diant.) e 2.75-17 47P (Tras.). Apesar de a roda dianteira estar equipada com freios a disco, o sistema não apresentou tanta eficiência como se esperava. Nos acionamentos mais exigidos, a roda dianteira puxava para a direita. Segundo a área de desenvolvimento da marca, o problema foi detectado apenas na unidade testada. Já o freio traseiro, a tambor, apresentou desempenho exemplar. Simples, o painel de instrumentos traz velocímetro e hodômetro, além de indicadores do nível de combustível, acionamento dos faróis, seleção de marchas e de mudança de direção. A Zig tem um ano de garantia, sem limite de quilometragem, e está disponível nas cores amarela, preta, prata e vermelha.

Leia Também