Sábado, 18 de Novembro de 2017

AGROPECUÁRIA

Chuva traz alívio, mas não acaba com risco para safra

16 SET 2010Por 13h:02

Carlos Henrique Braga A chuva de 11,6 milímetros registrada em Campo Grande na última terça-feira, após 61 dias de estiagem, não trouxe alívio para a agropecuária. Pastos continuam secos e persiste o temor de que o fenômeno climático La Niña prolongue a seca até o início de 2011 e atrase o início do plantio da safra de verão, que normalmente ocorre em outubro. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê precipitação dentro da média (400 milímetros) para a maior parte do Estado no trimestre de setembro, outubro e novembro. Segundo o presidente da Associação de Engenheiros Agrônomos de MS (Aeams), Jânio Borges, a última chuva foi emergencial, mas não recuperou o nível de umidade do solo. “Os solos do Estado têm registrado umidade abaixo dos 10%, quando o normal fica entre 40% e 50%”, analisa. Para recuperar pastos, é preciso período generoso de chuvas. A grama precisa brotar novamente, só então os animais podem ser colocados de volta. “Leva uns 60 dias, dependendo da situação do pasto, para a grama ficar pronta para receber os animais. Se isso acontecer antes do tempo, animais podem ter perda de peso por causa da qualidade inferior da sua comida”, explica Borges. Safra de verão Entre agricultores, o temor é que a seca atinja as lavouras de soja no começo do plantio da safra de verão. Em São Gabriel do Oeste, que registrou chuvas isoladas inferiores a 2 milímetros na terça-feira, produtores rurais não veem chuva boa há quatro meses. “Por causa da estiagem houve perda na produtividade do milho safrinha (2ª safra); só quem plantou mais cedo escapou”, conta o engenheiro agrônomo da consultoria Proplanta, Sérgio Ponce. A palha do milho, colocada sobre o solo para aumentar a produtividade da soja, é constantemente incendiada. “Se passa um carro e joga um palito de fósforo, toda a palha pega fogo, e essa palha é fundamental para a produtividade da soja que será plantada”, diz o engenheiro. Hortaliças A produção de hortaliças sofre menos com a estiagem. “A melhor época do ano para plantar verdura é essa porque a umidade é prejudicial”, explica o presidente da Associação dos Engennheiros Agrônomos. A irrigação torna possível o controle preciso da quantidade de água absorvida pela planta, o que é dificultado em períodos chuvosos.

Leia Também