Quinta, 23 de Novembro de 2017

Chamados a perdoar

20 MAR 2010Por FREI VENILDO TREVIZAN02h:54
É muito comum julgar alguém pelo erro cometido no momento presente. E até condenar sem antes ter feito uma análise mais profunda e mais séria a respeito de tal comportamento ou de tal atitude. É sabido que ninguém erra sozinho. Sempre haverá alguém que tenha se omitido em advertir, ou tenha influenciado para chegar a tal fato. Nesse tempo de quaresma é importante analisar com mais sinceridade e humildade as atitudes e os conceitos que se assumem em face de certos fatos e de certos acontecimentos. E isso para não se precipitar no julgar e ser mais prudente no interpretar. Enquanto o Mestre dos mestres advertia seus seguidores a esse respeito, eis que um grupo de fariseus e doutores da lei lhe apresentam uma mulher apanhada praticando adultério. Pela lei estabelecida por eles tais mulheres deveriam ser apedrejadas, pois era uma transgressão gravíssima. Mas não passava pela cabeça deles que não seria possível o adultério sem um parceiro. E onde estaria esse parceiro? Por que só a mulher ser condenada? O Mestre, muito atento e extremamente sábio, fitou seu olhar em cada um dos presentes e penetrou no fundo de suas consciências covardes. Todos estavam ansiosos aguardando a sentença. Afinal, ela deveria ser apedrejada. Mal sabiam que eles mesmos estavam sendo julgados e sentenciados. Se essa mulher se encontra no pecado não está sozinha. E a sentença não será a esperada e não vai satisfazer o desejo de vê-la eliminada para satisfazer o ego daqueles covardes. Diante de tal expectativa, vem a sentença: “Quem dentre vocês não tiver pecado atire a primeira pedra”! (Jo.8,7) E eles, ouvindo o que o Mestre falara, foram se retirando um a um, a começar pelos mais velhos. Pois no mal que atinge uma pessoa pode-se afirmar que há, de alguma maneira, uma responsabilidade de todos. Ninguém permaneceu no local. Ninguém teve a ousadia de presenciar o desfecho, pois todos tiveram que reconhecer sua própria culpa. Nem tiveram a humildade em reconhecer e pedir perdão. Só ele permaneceu. O único que poderia condenar e apedrejar. Mas se recusou. Apenas vê diante de si uma mulher como tantas outras mulheres e tantos outros homens sendo apedrejados por alguma fraqueza cometida por não terem sido orientados e esclarecidos para seguirem um caminho mais digno. O Mestre não aprova o ato daquela mulher ao não condená-la. Ele não aceita o pecado, mas ama cada ser humano mais do que ninguém. Por isso afirma com todo seu amor: “Eu não a condeno” nem hoje, nem amanhã, nem nunca. O que ele quer é a salvação de quem errou. Por isso lhe faz uma séria advertência: “Vá em paz e de agora em diante não peque mais” (Jó. 8,11). Isto é, não queira estragar a grandeza de sua vida por um instante de prazer. Assim se revela a singeleza da bondade e do amor misericordioso do Pai. Não apenas perdoa, mas mostra também o caminho para uma vida feliz. Mostra que podem acontecer tropeços e erros na vida e de todo e qualquer ser humano. E mostra também que é possível assumir e transformar esses tropeços e erros em atitudes mais dignas e mais de acordo com o desejo amoroso de Deus que deseja salvar a todos sem condenar ninguém.

Leia Também