Sexta, 24 de Novembro de 2017

Causa e efeito?

1 JUN 2010Por 06h:32
No ano passado, 58 pessoas morreram no local do acidente nas ruas e avenidas de Campo Grande. O número é 36% menor que os 91 registros   do ano anterior. Além disso, nos primeiros quatro meses deste ano verificou-se nova retração, de 26% na comparação com o primeiro quadrimestre de 2009. De janeiro a abril foram 14 óbitos, ante 19 no ano passado. Até agora não existe explicação objetiva, pois o total de acidentes continua aumentando, na ordem de 8%, mesmo percentual de crescimento da frota na cidade. Além disso, os dados sobre mortes no local do acidente não são os mais confiáveis. Para conhecer a real situação é necessário aguardar pelos dados do Denasus, que coleta todas as informações relativas às mortes que ocorrem dias ou meses depois do acidente.

    Porém, uma possível explicação para as seguidas e significativas retrações no número de acidentes fatais na cidade pode ser o aumento da fiscalização. Dados da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) indicam que a quantidade de multas aumentou em 178% na comparação do primeiro quadrimestre do ano passado com igual período deste ano, passando de 7,6 mil para 21,1 mil punições. Uma das justificativas para esta explosão na quantidade de notificações é o aumento no número de agentes, os chamados amarelinhos nas ruas da cidade. Desde o começo de 2009 cresceu em pelo menos 50% a quantidade de amarelinhos, passando da casa dos 30 para 45.

    Se aumento de multas e redução de mortes têm relação de causa e efeito, somente um estudo mais aprofundado poderia dizer. Porém, os dados são muito significativos e precisam ser analisados com o máximo cuidado e urgência. Em 2009 foram 33 mortes a menos no local dos acidentes. No primeiro quadrimestre de 2010 já são outras cinco a menos. É evidente que não se trata de defender uma possível indústria da multa. Porém, se os agentes multam 175 motoristas por dia, em média, é porque as irregularidades acontecem.  A irresponsabilidade de condutores é um fato incontestável.

    E, a partir da próxima semana, 30 concursados começam o curso preparatório para agente de trânsito e a previsão é de que em julho 20 deles estejam nas ruas. Em se confirmando esta previsão, a quantidade de amarelinhos terá aumentado em mais de 100% em um ano. Além disso, existe possibilidade de outras duas dezenas de aprovados no recente concurso serem chamados no futuro. Sendo assim, será a primeira vez, em quase duas décadas, que algo significativo é feito na cidade para tentar interromper a escalada da violência, que envolve principalmente motociclistas. Se a Polícia Militar, que também tem responsabilidade pela fiscalização, fizesse algo parecido, certamente Campo Grande deixaria de figurar no topo das listas das cidades com trânsito mais violento no País.

Leia Também