Domingo, 19 de Novembro de 2017

Cartunista Glauco é assassinado junto com o filho em São Paulo

13 MAR 2010Por 07h:26
Nem tentativa de assalto, nem vingança. O cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, e seu filho Raoni, de 25, foram vítimas de uma tragédia. O principal suspeito do assassinato seria conhecido da família e frequentaria a Igreja Céu de Maria, fundada por Glauco, inspirada nos cultos do Santo Daime. Segundo a polícia, trata-se do estudante universitário Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, que já teria um registro por porte de drogas. O suposto autor do crime vive no Alto de Pinheiros, em São Paulo, e estaria afastado dos cultos há cerca de seis meses. No fim da noite de quinta-feira, ele teria ido ao encontro de Glauco, levando uma pistola 765. Houve uma discussão e o rapaz disse que iria se matar. O cartunista tentou demovê-lo da ideia. Suas últimas palavras teriam sido: “Não faça isso, não faça isso”. Em seguida, teria sido morto com quatro tiros. Nesse momento, Raoni, filho de Glauco, chegou e também foi atingido por mais quatro tiros. Ao todo, o autor dos crimes teria disparado dez vezes, segundo a polícia. Depois de assassinar Glauco e Raoni, o rapaz teria fugido em um Volkswagen Gol. Os corpos de Glauco e Raoni foram liberados no fim da manhã de ontem. A pedido da família, o velório foi reservado e o acesso ao público só será permitido no enterro, previsto para hoje, no Cemitério Gethsemani Anhanguera. Na ma n h ã de ontem, quando a morte de Glauco e Raoni veio a público, a primeira hipótese é de que se trataria de uma tentativa de assalto praticada por dois homens. Horas depois, foi divulgada a informação de que o boletim de ocorrência do crime indicava a participação de um terceiro suspeito, que estaria no Gol. Uma testemunha reconheceu o suspeito como um frequentador da igreja. A partir dessa identificação, a polícia levantou informações sobre o carro e o endereço do rapaz. Até o fechamento desta edição, a polícia não havia confirmado a localização do suspeito.

Leia Também