Sábado, 18 de Novembro de 2017

Carnaval profissional

10 FEV 2010Por MICHELLE ROSSI21h:31
O carnaval de Campo Grande está passando por um momento histórico: o de profissionalização. Há alguns anos, carnavalescos do Rio de Janeiro têm visitado a Capital para prestar consultorias e traçar planos de reestruturação das escolas de samba (especial e acesso) e novas regras terão de ser obedecidas pelas escolas a partir de 2011. Março foi escolhido para que a Liga das Escolas de Samba de Campo Grande apresente às escolas as novas regras para o desfile na avenida. A intenção é envolver mais pessoas no processo e também definir um novo modelo de gerenciamento de uma escola. “Acaba que o presidente fica encarregado de quase tudo. Até no dia do desfile, ele está na concentração, pegando gente no braço para ficar no lugar certo. O objetivo é organizar a escola, definindo pessoas para também estarem à frente do desfile”, diz Eduardo Souza, presidente da Lienca. A carnavalesca carioca Regina Célia Passaes que está prestando consultoria para a Lienca e que já realizou este trabalho em várias cidades do Brasil, diz que um dos grandes gargalos das escolas em Campo Grande é a falta de investimento de órgãos públicos. “Acho que a comunidade tem de se mobilizar, mas ao mesmo tempo o poder público precisa investir nos desfiles porque isso atrai turismo para a cidade, movimenta a economia”, cita a carnavalesca que escreve para os sites especializados em carnaval: www.10nota10.com e www.rotadosamba.com. O novo regulamento a ser implantado pelas escolas de Campo Grande terá por exemplo, número mínimo de componentes: hoje é de 150 integrantes para o grupo especial e passará a ser de 350. Assim o número de alas, de carros alegóricos também muda. As regras são inspiradas no grupo D das escolas de samba do Rio de Janeiro (lá os grupos vão até a letra E). Enquanto as escolas do grupo especial de Campo Grande recebem média de R$ 11 mil por ano (em época de desfile), o investimento em cada escola do grupo D carioca é de R$ 58 mil da prefeitura e de cerca de R$ 7 mil do governo do Estado, garantidos por lei, sendo que os valores são reajustados a cada ano. Para 2010 Enquanto as novas regras passam por discussões, o carnaval de 2010 já vai apresentar algumas diferenças, segundo a proposta de profissionalização estabelecida pela Lienca. Recentemente um curso foi realizado para qualificar o corpo de jurados que avalia o desfile das escolas em Campo Grande, composto por 30 pessoas – 3 para cada quesito. A novidade é que passarão a ser divulgadas as justificativas de cada nota, o que antes não ocorria. “Segundo o regulamento, toda nota inferior a 10 tem de ser acompanhada por uma justificativa”, descreve Eduardo Souza, presidente da Lienca, que continua. “Só que antes, o conteúdo não era divulgado e a partir deste ano, estará disponível para as escolas”, diz. A carnavalesca Regina Célia Passaes, que ministrou a capacitação para os jurados, observa que as justificativas devem ser divulgadas pois vão ajudar as escolas a perceberem o que precisa ser melhorado. “Aqui no Rio, as justificativas das notas do júri ficam disponíveis até na internet, no site da Liga das Escolas daqui. Acho de extrema importância que este conteúdo chegue à mão das escolas e da população para que o desfile das escolas melhore cada vez mais”, ressalta Regina. O júri é composto por pessoas ligadas à área dos respectivos quesitos que serão julgados por eles, informa o presidente da Lienca. No samba-enredo, por exemplo, entre os avaliadores tem gente ligada à música; à bateria, por percussionistas; ou mesmo às fantasias, por pessoas que trabalham com moda e assim por diante. Ainda são quesitos: comissão de frente; evolução; enredo; harmonia; alegorias e adereços; conjunto e mestre-sala e porta-bandeira. “Havia uma confusão na hora de julgar os quesitos. Tinha gente que julgava fantasia em cima de carro alegórico e isso não pode acontecer. O item fantasia deve ser avaliado somente nos passistas que estão no chão. Fantasia de quem está em carro alegórico entra no quesito alegorias e adereços”, informa a consultora.

Leia Também