Segunda, 20 de Novembro de 2017

Candidatura do juiz Odilon provoca calafrios nos rivais

8 MAR 2010Por 09h:04
A eventual candidatura do juiz federal Odilon de Oliveira ao Governo do Estado poderá provocar calafrios nos virtuais concorrentes. A sua participação na disputa eleitoral, reconhecem os deputados do PMDB e do PT, irá causar reviravolta no quadro político em Mato Grosso do Sul. A indicação do nome de Odilon passa a ser novidade na política estadual e a consolidação da terceira via capaz de levar a decisão da eleição para o segundo turno. “Estou animado, estou pronto para este novo desafio. Só falta um partido para me filiar”, comentou o juiz. Este partido pode ser o PSDB. O PTB também deseja a sua filiação para tê-lo como opção na próxima eleição. O comando do tucanato abriu o caminho para o juiz se filiar até o fim do mês. Mas não garantiu a candidatura ao governo e muito menos ao Senado. O presidente regional do PSDB, deputado estadual Reinaldo Azambuja, esclareceu da prioridade de o partido se aliar ao PMDB. No caso de candidatura própria, a senadora Marisa Serrano será o primeiro nome a ser avaliado. Odilon só entraria na disputa se a senadora abrisse mão de concorrer à eleição. O temor é de a Marisa ceder à pressão de André para não abrir espaço ao Odilon no PSDB. No seu histórico político, a pedido de André, a senadora já fechou as portas do partido para o senador Delcídio do Amaral (PT) e impediu a candidatura do então vice-prefeito Osvaldo Possari à Prefeitura de Campo Grande. Em troca, ela ocupou a vaga de vice de Nelsinho Trad (PMDB) e obteve apoio para concorrer ao Senado. Marisa reconhece, porém, as virtudes do juiz para disputar ao governo. Mas evita assumir publicamente o compromisso com Odilon, porque ainda prefere apoiar a reeleição de André Puccinelli. O magistrado não tem muito tempo para definir a sua estreia na política. Por esta razão, espera contar com decisão definitiva do PSDB de abrir o camin ho para concorrer ao governo ou ao Senado. O presidente regional do PSDB, deputado Reinaldo Azambuja, sinalizou com interesse de tê-lo em seu quadro para concorrer à sucessão estadual, se o PMDB não montar palanque para o candidato tucano à Presidência da República. Marisa Serrano disse não acreditar na proposta de Azambuja de convidar Odilon para disputar um cargo majoritário. O dirigente tucano esclareceu ser apenas uma sondagem ao juiz se há interesse de participar do processo eleitoral como candidato. A resposta de Odilon foi “sim”. O grande problema do juiz federal, conhecido por mandar para a cadeia os “tubarões” de organizações criminosas, é a falta de garantia do comando do PSDB de apoiar a sua candidatura a um cargo majoritário.

Leia Também