Terça, 21 de Novembro de 2017

Candidato ao Senado pelo PSOL não é filiado ao partido

28 JUL 2010Por 05h:08
lIDIANE KOBER

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) constatou que o candidato ao Senado, Jorge Batista, não está filiado ao PSOL e deixou o partido sem representantes na disputa por vaga de senador, levando em conta o fato de o professor Washington Luiz nem sequer ter registrado sua candidatura. Os problemas provocaram guerra interna na legenda. Batista acusa o presidente regional da sigla, Lucien Roberto Rezende, de querer ocupar sua vaga, enquanto ele, alega que falhas e falta de experiência do partido resultaram nas dificuldades para efetivar  o registro. Diante da confusão, hoje a executiva da legenda deverá se reunir para oficializar Lucien como o novo representante do PSOL na eleição ao Senado.
O dirigente do partido reconheceu falhas nas duas situações. No caso de Batista, ele explicou que a legenda fez a filiação no sistema interno, porém, não conferiu se o TRE acolheu o ingresso do correligionário. “No sistema antigo, o partido fazia a filiação e o tribunal gerava uma crítica. Mas ninguém foi verificar o documento e, recentemente, ficamos sabendo que a filiação do Jorge não se efetivou”, contou Lucien.
Para ele, a negativa ocorreu porque “certamente dados foram digitados de maneira incorreta”. “Ainda bem que agora o sistema do TRE mudou e detecta de maneira imediata os erros”, completou.
Por outro lado, Batista criticou Lucien de estar liderando um complô para tirá-lo da disputa. “Depois que ele viu a pesquisa, o olho dele cresceu”, acusou. Levantamento do Ibrape, encomendado pelo Correio do Estado, mostrou Batista e Washington, com 2% das intenções de votos, cada um.
Segundo o ainda candidato a senador do PSOL, sua filiação foi realizada de acordo com a legislação eleitoral, ao contrário do ingresso do candidato ao Governo do Estado pelo partido, Nei Braga. “Só ocorreu um erro de digitação na minha filiação e eu solicitei ontem (anteontem) para o cartório corrigir o dado”, contou. “Enquanto isso, o Lucien filiou o Nei Braga retroativamente”, denunciou.
Batista contou que o candidato à sucessão estadual da sigla chegou a ser expulso do partido por falsificar documentos. “Depois, filiaram ele novamente, mas fora do prazo”, completou.
Sem documentos
No caso de Washington Luiz, a candidatura nem chegou a ser oficializada porque ele não apresentou os documentos necessários para registrar a intenção de concorrer ao Senado. “Na época, nos informamos sobre a possibilidade de adiar o registro. Talvez, por falta de experiência, entendemos que a oficialização da candidatura poderia ser feita até 5 de agosto”, relatou Lucien. A data, na verdade, é o prazo final para o TRE publicar o julgamento dos registros das candidaturas.
Até ontem, Washington Luiz nem sequer informou ao PSOL o motivo que o levou a desistir de concorrer na eleição, revelou o presidente regional do partido. Em contrapartida, Batista garantiu que Washington Luiz saiu da disputa por estar insatisfeito com posturas da direção da sigla.

Outro candidato
Diante da confusão, o Executivo Regional do PSOL irá se reunir hoje para escolher um novo candidato ao Senado. O mais contado é Lucien. “O partido está cobrando para eu entrar no embate”, contou. “Mas ainda não houve acordo”, acrescentou.
Batista, por sua vez, tem outra versão. “Ninguém da executiva foi convidado para esta reunião. Eu sou da executiva e não sei de nada”, garantiu.

Leia Também