Segunda, 20 de Novembro de 2017

Campo Grande ontem e hoje

10 AGO 2010Por 06h:38
Thiago Andrade

O horizonte que parece não ter fim, as vastas áreas verdes, a silhueta formada por edifícios e  monumentos, as relações entre a cidade e a cultura indígena são algumas das referências de Campo Grande que podem ser encontradas nas 99 obras do artista plástico italiano, radicado na Capital, Fausto Furlan, adquiridas recentemente pela Prefeitura Municipal. A Art Galeria Mara Dolzan irá expor 50 dessas obras na mostra “Retratos de Campo Grande. Ontem e hoje”, que será aberta hoje, às 20h.

Além de marcar a aquisição das obras pela prefeitura, a exposição comemora os 111 anos da Capital. “É uma honra muito grande participar desse momento, ainda mais relembrando o trabalho de um artista tão importante para as artes plásticas do Estado”, aponta a marchand Mara Dolzan. Segundo ela, as obras de Furlan fazem um resgate histórico da Cidade Morena, registrando com grande realismo, “quase como fotografias”, a beleza e o passado da cidade. Grande parte das telas foi produzida nas décadas de 70 e 80, mas dez novas obras foram feitas especialmente a pedido da prefeitura.
Esta é a primeira vez que a Art Galeria Mara Dolzan expõe obras do artista: “Havia muito tempo desde a última vez que o trabalho de Furlan foi reunido para uma mostra individual e acho que nunca houve uma exposição com tantas de suas telas”. Além de comemorar o aniversário da cidade, a mostra surge como oportunidade única para todos que se interessam pela história das artes plásticas de Mato Grosso do Sul, oferecendo a possibilidade de os mais jovens conhecerem o trabalho deste precurssor da pintura no Estado.
Os trabalhos mais antigos de Furlan foram adquiridos em agosto do ano passado pela Prefeitura Municipal. Entretanto, os quadros foram pintados a pedido dos proprietários do Hotel Campo Grande, que os utilizaram para decorar cada um dos quartos do hotel, além de apresentar um pouco da cidade aos hóspedes. Entre as telas, ganham destaques pontos da cidade como o Obelisco, a Rua 13 de Maio, a Igreja São Francisco, o Relógio da 14 de Julho e o Quartel General da Afonso Pena.
Em conversa com o prefeito, o artista plástico contou que ainda mantinha suas atividades e foi convidado por Nelson Trad Filho a pintar a modernidade da Capital, retratando a recente paisagem esculpida por edifícios e novos espaços como, por exemplo, a nova rodoviária e a Central de Atendimento ao Cidadão. As dez obras produzidas foram entregues e fazem parte de “Retratos de Campo Grande. Ontem e hoje”. A mostra ficará na galeria até o dia 15 de agosto, podendo ser visitada gratuitamente.

Leia Também