Quinta, 23 de Novembro de 2017

Campeões do Enem conciliam estudo com lazer

21 JUL 2010Por 20h:59
Silvia Tada e Karine Cortez

Dedicados aos estudos, mas com momentos de descanso e lazer. Assim se comportaram os campeões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2009, em Mato Grosso do Sul, seguindo a receita recomendada por educadores. Os três estudantes com melhor desempenho no Estado são de Campo Grande e saíram de escolas reconhecidas pelos índices de aprovação em vestibulares, os colégios Maria Montessori, Avant Garde e Militar de Campo Grande.
Dono da melhor nota do último Enem em Mato Grosso do Sul, 841,48, o jovem Gabriel Berg de Almeida, 19 anos, contou que se dedicou bastante para alcançar o objetivo desejado, mas o esforço vem de toda uma vida escolar buscando sempre tirar as melhores notas. O resultado de tanto empenho foi a aprovação. “Sempre estudei bastante, depois ainda fiz um ano de cursinho para prestar o Enem e o vestibular”, disse. O jovem utilizou a nota do Enem para a primeira fase da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (Unesp) e passou para o curso de Medicina, em Botucatu (SP).
Gabriel, que estudou no Colégio Maria Montessori, contou que de segunda a sexta-feira, a prioridade era os estudos. “Nos dias de semana eu só saía de casa para ir à academia e às vezes para relaxar lia um livro que não tinha nada a ver com vestibular. Já aos finais de semana sempre saía com meus amigos para me divertir”, enfatizou.

Maturidade
Clara Correa Fernandes é acadêmica de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Com média 835,06, alcançou o segundo lugar no total geral do Estado, no ano passado. O bom desempenho contou um terço da nota final do vestibular.
“O segredo em sair bem é a confiança em si mesmo. Acredito que o nervosismo atrapalha o candidato”, afirmou. Ela terminou o ensino médio em 2007 e passou um ano fazendo intercâmbio na Alemanha. “Isso pode ter me ajudado na maturidade e toda experiência ajuda um pouco na hora da prova”.
Pela manhã, Clara ia à escola (Colégio Avant Garde) e estudava em casa à tarde e à noite. Aos sábados, fazia aula de redação e estudava, mas depois descansava. “O apoio dos pais é fundamental. Os meus me incentivavam a dar uma pausa nos estudos e me divertir um pouco”.

Redação
O estudante Rafael Farias Cação, de 19 anos, teve a terceira melhor nota de Mato Grosso do Sul, mas ainda não entrou na universidade. Seu sonho é cursar Engenharia Aeronáutica no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), que não usou o Enem como critério de admissão de alunos.
Sem desanimar, o jovem estuda média de 8h por dia e se concentra em matérias que têm mais dificuldade para vencer o desafio do vestibular. Novamente, inscreveu-se para o Enem e tentará o curso no ITA e na Universidade de São Paulo (USP). “No Enem de 2009, fiz pontuação máxima em Redação, uma matéria que eu não era tão bom. Nas outras disciplinas, fiz mais de 800 pontos”, relatou. A média final foi 830,18.
Morador do Indubrasil, Rafael estudou desde a 5ª série no Colégio Militar. “A instituição tem um estilo de educar diferente, que acaba dando resultado”. Atualmente, estuda com a ajuda de amigos e sozinho, dentro do planejamento prévio.

Leia Também