Quinta, 23 de Novembro de 2017

Campanha de Artuzi foi financiada por Uemura

12 MAR 2010Por 07h:41
O envolvimento do prefeito de Dourados, Ari Artuzi (PDT), com a família Uemura começou em julho de 2008, antes mesmo de o pedetista ser eleito para administrar a segunda maior cidade do Estado. Sizuo e Eduardo Uemura “comandaram e financiaram” a campanha de Artuzi para a prefeitura, conforme a denúncia do Ministério Público entregue na sexta-feira passada ao Tribunal de Justiça. O primeiro encontro registrado pela Polícia Federal, de Ari Artuzi com Sizuo Uemura aconteceu em 30 de julho de 2008. Uemura ligou para Artuzi ir ao seu escritório. Eles encontraram-se 20 minutos depois. A Polícia Federal fotografou a visita do pedetista saindo da Pax Primavera, empresa de Uemura. Em 18 de setembro, a presidente do comitê financeiro da campanha de Artuzi, Maria Luna, telefonou para Sizuo e pediu o adiantamento de R$ 25 mil para custear a campanha eleitoral. No dia seguinte, depois de passar na Pax Primavera, foi abordada pela Polícia Federal, que encontrou com ela R$ 10 mil. “Depreende-se das mencionadas conversas (gravadas pela PF) e dos registros fotográficos que esse dinheiro era parte do que Sizuo prometeu entregar a Artuzi para investir em sua campanha”, conclui o Ministério Público Estadual. Em 3 de novembro, Maria Luna foi novamente à Pax Primavera. Dessa vez, para tratar com Sizuo das notas fiscais de combustível que o empresário adquiriu, no Posto Gaúcho IV, para a campanha de Artuzi. Logo depois da reunião, Sizuo telefonou para o dono do posto e pediu a ele a emissão de notas fiscais de compra de combustível no valor de R$ 10 mil. Quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Owari, em 7 de julho do ano passado, apreendeu um recibo, preenchido em nome de Artuzi, no valor de R$ 25 mil, datado de 8 de agosto de 2008 – dois meses antes das eleições. O documento estava no escritório financeiro da família Uemura. No local, também foram encontradas duas folhas de caderno com movimentações financeiras dos Uemura. Na primeira, constava o nome de Artuzi e ao lado a quantia de R$ 100 mil. Na outra, constava o nome do vice- prefeito Carlinhos Cantor (PR) e ao lado a quantia de R$ 5.250,00. “Tais fatos demonstram que os Uemura comandaram e financiaram a campanha de Ari Artuzi para a Prefeitura de Dourados, formando entre os denunciados mais do que uma quadrilha, uma verdadeira organização criminosa”, acusa o Ministério Público. “E mais. Ficou claro o ajuste entre eles, no sentido de que, uma vez Ari Artuzi içado ao poder, passariam a conduzir a administração pública municipal em conjunto, como se esta fora uma empresa particular dos Uemura”. Na prestação de contas de campanha de Artuzi consta a doação de R$ 35,6 mil de uma das empresas dos Uemura, a Via Sul Veículos. O prefeito nega participação nos crimes apontados pelo Ministério Público. Até a noite de ontem, a denúncia ainda não havia sido distribuída a um dos desembargadores nem constava no site do Tribunal de Justiça.

Leia Também