Domingo, 19 de Novembro de 2017

Brasileiros devem se vacinar contra a gripe suína, diz OMS

25 FEV 2010Por 04h:32
Apesar de confirmar que o vírus H1N1 não se mostrou tão perigoso como se temia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) defende a campanha de vacinação contra a gripe suína no Brasil, que começa nos próximos dias, e apela para que a taxa de adesão da população seja alta. Na semana passada, o organismo internacional reuniu seus especialistas e optou por manter o status da pandemia da gripe suína levando em considerações dois fatores diretamente ligados ao Brasil e ao Hemisfério Sul. O primeiro é a constatação de que a região entrará nos próximos meses em sua temporada de inverno e que então poderá ser comprovado se não haverá uma segunda onda mais forte de contaminações. Segundo Keiji Fukuda, diretor de influenza na OMS, essa foi a consideração “dominante” na decisão de manter a pandemia. Ele ainda apontou para o aumento de casos na África e admitiu que a OMS ainda está preocupada com as regiões mais pobres do Hemisfério Sul. Um dos alertas da OMS é de que não há garantias de que os países do Hemisfério Sul tenham condições suficientes de lidar com um surto, caso ele seja de fato mais severo. O outro argumento é de que a declaração do fim da pandemia enfraqueceria as campanhas de vacinação que vão começar nos próximos dias, como a do Brasil. Em São Paulo, 13 milhões de pessoas serão vacinadas. Durante o encontro dos especialistas, a entidade admite que “houve incerteza se novas ondas adicionais de atividade do vírus poderiam ocorrer e que seria necessário evitar minar a preparação” dos países em desenvolvimento. Questionado sobre a utilidade da vacinação, Fukuda confirmou que a medida ajudará a frear o vírus. “O H1N1 estará circulando por um bom tempo entre nós. Portanto, a vacinação tem ainda a capacidade de dar uma resposta a isso e deve ser realizada”, afirmou. Segundo ele, pessoas vulneráveis podem ser salvas graças à vacina.

Leia Também