BR Foods e Marfrig cogitadas para ativar unidades do Independência

CARLOS HENRIQUE BRAGA26 de Outubro de 2010 | 02h10
ARQUIVO ARQUIVO

 

As três unidades paralisadas do Frigorífico Independência, em recuperação judicial há quase um ano, podem voltar à ativa sob novas mãos em breve. As plantas de Campo Grande e Anastácio, arrendadas, e a de Nova Andradina, a última a parar, são consideradas muito boas para ficarem de escanteio. Segundo o chefe da Superintendência Federal da Agricultura (SFA), órgão de fiscalização da indústria de carnes, Orlando Baez, o interesse não é oficial, mas existe. “Elas são modernas e têm permissão para exportar, isso desperta interesse”, explicou.
 
O mercado enxerga duas possibilidades para as unidades se a companhia tiver a falência decretada: o arrendamento pelo Marfrig, que já embolsou o Margen, de uma das plantas, ou a incorporação à gigante de alimentos brasileira, que pode incluir o abate de animais entre suas atividades. 
 
Em Nova Andradina, onde 800 foram demitidos no último dia 14 pelo frigorífico à beira da falência, o nome cogitado para a segunda aternativa é BR Foods, resultado da incorporação da Sadia pela Perdigão. 
 
O secretário de Desenvolvimento Integrado do município, Fábio Maurício Selhorst, disse ao Correio do Estado, após o fechamento da unidade, que a BR Foods já anunciou a necessidade de trabalhadores no Paraná, e quer levar parte dos que foram demitidos para uma de suas unidades. 
 
A assessoria do Marfrig disse que a empresa não comenta “especulações de mercado”. A da BR Foods desconhece negociações do tipo.
 
Decadência
O arrendamento das plantas de Campo Grande e Anastácio da massa falida do Kaiowa foi a alternativa escolhida pelo Independência para expandir a operação no Estado, após a chegada em 1991, na unidade de Nova Andradina. O grupo chegou a abater 4,5 mil bovinos, mas não se sustentou. 

Em novembro de 2009, pediu recuperação judicial para renegociar dívidas, sem fechar as portas. A operação não teve o sucesso esperado. A companhia suspendeu pagamento do restante da dívida que tinha com pecuaristas de MS (R$ 17 milhões) e anunciou paralisação total da produção, além do afastamento da diretoria.
Comentários
Mais de EconomiaEm apenas dois meses, MS fechou 2.535 postos de trabalhoCAGEDEm apenas dois meses, MS fechou 2.535 postos de trabalhoNEGÓCIOAbílio Diniz compra 10% da filial brasileira do Carrefour
por R$ 1,8 bi
O Carrefour estuda a abertura de capital da filial brasileira
Servidores recebem 13º nesta sexta e comércio se animafim de anoServidores recebem 13º nesta sexta e comércio se animaOPORTUNIDADESBrasil criou 8.381 empregos formais em novembroNo acumulado do ano, o saldo da criação de empregos é positivo
 Últimas Notícias  


  • Assinaturas:
    • (67) 3323-6100
  • Publicidade:
    • (67) 3320-0023
    • (67) 3323-6090
  • Empresa:
    • (67) 3323-6090
    • (67) 3323-6059
 Plataforma Desenvolvimento© Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.