Quarta, 22 de Novembro de 2017

Bovespa sobe 0,18% e dólar comercial recua 0,16% para R$ 1,762

24 ABR 2010Por 06h:09
São Paulo

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) praticamente repetiu a dinâmica dos negócios na jornada de quinta-feira, mantendo-se em terreno negativo boa parte do dia de ontem mas registrando valorização, ainda que modesta, perto da conclusão dos negócios. O pedido da Grécia para acessar os US$ 60 bilhões do acordo UE-FMI trouxe pouco alívio para os agentes de mercado. E a proximidade com a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), internamente, reduz o apetite por risco dos investidores.
O Ibovespa, índice que reflete as oscilações de preço das ações mais negociadas, subiu 0,18% no fechamento, aos 69.509 pontos. O giro financeiro foi de R$ 5,25 bilhões. Nos EUA, o índice Dow Jones (da Bolsa de Nova York) subiu 0,63% na conclusão das operações.
Para analistas, enquanto não houver uma definição sobre os juros, a Bolsa de Valores deve oscilar sem uma tendência firme.
No mês passado, o Comitê manteve a taxa básica de juros em 8,75% ao ano. Na reunião da semana que vem, o mercado está dividido entre um ajuste para 9,25% ou 9,50%. A segunda corrente ganhou força ao longo desta semana.
Para a consultoria Austin Rating, o aumento deve ser de 0,50 ponto percentual. Olhando os juros projetados no mercado futuro (BM&F), os analistas avaliam que as taxas projetadas já incorporaram “boa parte do efeito de elevação da Selic, portanto, não sendo necessário maior vigor (alta de 0,75 ponto)”.
Na outra ponta, a corretora Convenção, indica ajuste de 0,75 ponto. “Dentre as incertezas do cenário, acreditamos representar hoje para o BC um risco maior dar pouco e tarde do que dar muito cedo”, avalia o economista-chefe Fernando Montero, em relatório econômico.
Dólar
O dólar comercial foi vendido por R$ 1,762, em recuo de 0,16%. A taxa de risco-país marca 176 pontos, número 1,12% da pontuação anterior. “Todas as notícias que vêm de fora têm gerado um desconforto muito grande no mercado (doméstico), aumento a aversão ao risco. Acho que muita gente se retraiu aguardando preços melhores, talvez contando que o dólar volte a R$ 1,74, como na semana passada’” comenta José Carlos Benites, gerente da corretora de câmbio Moeda.
Entre as principais notícias do dia, o primeiro-ministro da Grécia, Giorgos Papandreou avisou que o país já pediu a ativação do mecanismo de ajuda financeira, estabelecido pela União Europeia-FMI em 45 bilhões de euros (cerca de US$ 60 bilhões). A chanceler alemã Angela Merkel solicitou que o país apresente um programa “crível” de controle do déficit público para ter acesso aos recursos.

Leia Também