Domingo, 19 de Novembro de 2017

Bovespa recupera pontos e dólar fecha em R$ 1,77

21 JUL 2010Por 20h:53
Rosangela Dolis e Taís Fuoco (AE)

Puxado pelas fortes valorizações das ações da Vale e de siderúrgicas, o Ibovespa reverteu rapidamente uma queda inicial e manteve-se em alta até o fechamento, enquanto em Nova York as bolsas oscilaram em baixa na maior parte do tempo, reagindo apenas no meio da tarde de ontem, para encerrar com ganhos. A reação refletiu expectativas de que os comentários que o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, fará durante audiências no Congresso hoje e amanhã poderão reforçar apostas de que a taxa de juros nos EUA permanecerá em um nível baixo até 2011.
Antes disso, o mercado acionário norte-americano sucumbiu à divulgação de resultados corporativos abaixo do esperado e ao dado de queda de 5% em junho no número de obras de imóveis residenciais iniciadas nos EUA. O Ibovespa deixou de lado essas influências negativas e decolou junto com as ações de empresas ligadas a commodities, diante do anúncio pelo Ministério do Comércio da China de que as importações do país vão aumentar e das apostas em que o governo chinês evitará a adoção de novas medidas de aperto monetário.
A bolsa brasileira gostou também de estimativas de redução do ritmo de alta da Selic na reunião do Copom de ontem e de hoje. Parte dos analistas mudou projeções de alta de 0,75 ponto porcentual para 0,50 ponto porcentual, após a divulgação de novos indicadores de queda da inflação. O IPCA-15 de julho apontou deflação de 0,09%, enquanto a segunda prévia do IGP-M teve variação de 0,03%. Esse cenário em que a inflação recua, mas há manutenção das expectativas de crescimento do País em torno de 7% este ano, é também bem visto pelos investidores.
O Ibovespa fechou em alta de 1,84%, aos 64.462,50 pontos, sua pontuação mais alta desde 28 de junho.

Câmbio
O dólar pronto na BM&F recuou para R$ 1,7734 ontem, queda de 0,69%, enquanto no balcão a moeda americana perdeu 0,73%, a R$ 1,7740, em um dia em que a divisa abriu em alta, mas passou a cair e oscilou entre a máxima de R$ 1,7990 e a mínima de R$ 1,7720.
Os rumores sobre falta de liquidez a alguns bancos que estão passando pelos testes de estresse na Europa pressionaram a moeda única do bloco, que caiu ante o dólar. Perto das 16h40min, o euro, que chegou a bater US$ 1,30 na madrugada, era negociado a US$ 1,2894, de US$ 1,2945 na segunda-feira no final da tarde em Nova York. Já o dólar subia para 87,39 ienes, de 86,86 ienes à tarde em Nova York. Ainda no mercado local, o Banco Central fez leilão para compra de moeda no mercado à vista entre 15h20min e 15h30min e fixou a taxa de corte em R$ 1,7742.

Leia Também