Quinta, 23 de Novembro de 2017

Bienal Naïfs do Brasil 2010 aceita inscrições até o dia 23 de abril

8 ABR 2010Por 20h:20

São Paulo

 

Estarão abertas, até 23 de abril, as inscrições de trabalhos para a Bienal Naïfs do Brasil 2010. Promovido pelo Sesc São Paulo, o evento chega a sua décima edição e será realizado entre 19 de agosto e 12 de dezembro, nas dependências da unidade do Sesc Piracicaba. O evento é voltado para artistas produtores de obras caracterizadas pela estética da arte ingênua, espontânea, instintiva, naïf ou naïve.

Para efetuar a inscrição, gratuita, os interessados podem obter o regulamento e a ficha de inscrição no site www.sescsp.org.br/inscricaonaifs2010 e anexar, obrigatoriamente, duas obras finalizadas nos anos de 2008, 2009 e 2010, o currículo artístico e cópia simples de RG e CPF.

Podem participar artistas brasileiros ou estrangeiros radicados no País há mais de três anos e maiores de 18 anos, que produzam obras voltadas para a criação primitiva, ingênua, espontânea e popular, incorporadas à cultura visual do povo e suas representações.

Organizada desde 1992, a mostra já é referência para todos aqueles que possuem algum vínculo com o estilo – artistas, pesquisadores, colecionadores e galeristas –, além de educadores e estudantes, que ampliam seus conhecimentos por meio de um trabalho integrado de arte-educação.

Esta edição será composta pelo conjunto de obras selecionadas por júri especializado e ainda uma sala especial proposta pela curadora convidada Maria Alice Milliet. Batizada de "Arte sem fronteiras", contará com artistas premiados em edições anteriores e outros com carreiras artísticas consolidadas que exploram linguagens capazes de tocar o imaginário do homem contemporâneo, sem recorrer a categorias como "arte popular" ou "arte erudita".

Assim, a proposta é valorizar os artistas que foram revelados pela Bienal Naïfs ao longo destes 18 anos, alguns com obras premiadas e adquiridas pelo Sesc São Paulo, atualmente integrantes do acervo da instituição – e mostrar como dialogam com produções já inseridas no mercado de arte dos grandes centros urbanos.

Leia Também