Quarta, 22 de Novembro de 2017

Artes marciais múltiplas ganham espaço

3 MAI 2010Por 08h:56
Eduardo Miranda

O MMA, sigla em inglês para “artes marciais múltiplas”, modalidade de combate que mais cresce no mundo, herdeira do legado do extinto vale-tudo, também ganha um espaço cada vez maior nas academias e ringues de Mato Grosso do Sul. Vários atletas locais têm treinado forte para se destacar no esporte de luta de maior projeção mundial em tempos atuais, e no qual os brasileiros são apontados como os melhores em várias categorias.
O treinador Edemir Elias do Amaral, que também preside a Federação Sul-Mato-Grossense de Jiu-jítsu, conta que, a cada dia, aumenta a procura de pessoas interessadas em treinar MMA. “Muita gente nos procura por causa da grande exposição que o esporte tem tido na mídia”, explicou Edemir. “Além da alta combatividade, o MMA é um dos esportes que proporcionam uma rápida melhora no condicionamento físico”, acrescentou o treinador, que viu a quantidade de clientes crescer de cinco para mais de 40 em menos de um ano.

Inspiração
O circuito de combate Ultimate Fight Championsip, ou UFC, é o responsável pelo crescimento do MMA em todos os lugares. Em Mato Grosso do Sul não é diferente, e a maior parte dos atletas que já treinam artes marciais como jiu-jítsu, muaythai e karatê passaram a se dedicar à nova modalidade de combate, inspirados em ídolos mundiais como os brasileiros Lyoto Machida, Anderson Silva, Maurício Shogun, Rodrigo “Minotauro” Nogueira e Thiago “Pitibull” Alves, e os norte-americanos Forrest Griffin e Mark “Martelo” Colleman.
Para Edemir Amaral, não há como negar a influência que o UFC exerce em seus alunos. “Eles se inspiram nos combates que assistem na televisão”, conta. “O MMA ocupa atualmente o mesmo espaço que o boxe ocupou no cenário mundial nas décadas de 1980 e 1990”, explicou.
Dentre os sul-mato-grossenses que aderiram ao MMA, Michel Igenho, 29 anos,  e Wande Lopes Santana, 29, são os que têm se destacado mais em combates nacionais e internacionais. Ambos dominam as técnicas de muaythai e e jiu-jítsu. Michel, atualmente, é o segundo colocado do ranking brasileiro em sua categoria (até 75 kg), e Wande, que se recupera de uma contusão, tem convites para participar de combates de MMA no Peru e nos estados do Paraná e de São Paulo.

Leia Também